O Governo espanhol vai antecipar para este mês uma redução do imposto sobre o rendimento prevista apenas para 2016, quando faltam apenas meses para as eleições gerais que se realizam no final do ano.

“Vamos continuar a trabalhar até ao último dia da legislatura. E hoje estou em condições de adiantar algumas das medidas que vamos aprovar este mês, a tempo de fazerem parte do Orçamento Geral do Estado: o Governo vai adiantar para 01 de julho deste ano, ou seja ontem [quarta-feira], a redução do IRPF (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Físicas, o equivalente ao IRS) que estava previsto para 01 de janeiro de 2016”, afirmou Rajoy.

Esta medida, acrescentou, representa que, no geral, os cidadãos espanhóis vão contar com mais 1,5 mil milhões de euros em rendimento disponível, a poucos meses das eleições gerais do final do ano. Assim, Rajoy termina a legislatura com o IRS mais baixo do que quando começou a governar, em finais de 2011.

Rajoy justificou a medida com a evolução da coleta e com o bom momento da economia espanhola, que deverá terminar o ano a crescer em torno dos 3,3% (novas previsões do governo, que antes previa 2,9% de crescimento).

A reforma fiscal anteriormente anunciada pelo executivo espanhol apenas estaria concluída em 2016, mas com esta decisão a nova tabela de descontos entrou já em vigor.

Assim, um cidadão com um rendimento bruto de 12 mil euros anuais já não pagará IRS (uma redução de 255 euros face a 2011), enquanto quem receba 25 mil euros “poupa” 334 euros em imposto. Já os escalões de rendimentos nos 100 mil, 120 mil e 150 mil euros sofrem aumentos de 152, 552 e 906 euros, respetivamente.

“A Espanha de hoje nada tem a ver com a de 2011. Esta é a ‘mudança’ que queriam os espanhóis e que os nossos vizinhos europeus reconhecem”, disse Rajoy, numa referência à palavra-chave dos partidos da oposição para pedirem uma derrota do PP nas urnas.

O presidente do Executivo espanhol falava num evento organizado em Madrid pelo diário económico espanhol Expansión.