Dylann Rooff, o jovem acusado de ter morto nove pessoas num tiroteio numa igreja em Charleston, na Carolina do Sul, só conseguiu ter acesso a uma arma porque ocorreu um erro informático na base de dados do FBI, informou esta sexta-feira o diretor da agência, James B. Comey, durante uma conferência de imprensa.

Roof, que tinha sido detido anteriormente por posse de droga, não tinha permissão para comprar armas. Segundo Comey, a compra só ocorreu devido a uma falha no sistema de verificação de antecedentes do FBI. “Estamos muito tristes que isto tenha acontecido”, disse o diretor do FBI, citado pelo New York Times. “Gostávamos de poder voltar atrás”.

Esta não é a primeira vez que são detetados erros semelhantes no sistema de verificação do FBI, o National Instant Criminal Backgroud Check System. De acordo com o New York Times, as falhas anteriores permitiram que, ao longo das últimas décadas, vários indivíduos conseguissem aceder legalmente a armas, apesar de estarem proibidos de as comprarem. Muitas destas armas acabaram por ser usadas em crimes, como aconteceu em 2007.

Em abril de 2007, Seung-Hui Cho, um estudante sul-coreano, matou a tiro 32 pessoas na Universidade Técnica da Virgínia. À semelhança de Roof, Cho também conseguiu ter acesso a uma arma devido a uma falha informática. Na altura, o erro levou a que o sistema fosse revisto e melhorado.