Rádio Observador

Despesa Pública

Governo dá luz verde à realização de despesas de 400 milhões até 2019

Conselho de Ministros autorizou a realização de despesas no valor total de 400 milhões, a concretizar até 2018/19. Cartão do cidadão, ensino artístico e refeições para prisões entre os contratos.

Luís Marques Guedes lembra que o governo está em funções e que estas despesas têm de ser autorizadas com antecedência

Miguel A.Lopes/LUSA

Foi um Conselho de Ministros muito diversificado, com 23 pontos no comunicado, numa das últimas reuniões magnas desta legislatura. O último ponto consiste na autorização à realização de um conjunto de despesas justificada com a necessidade “de assegurar a continuidade da prestação de serviços públicos, nos termos do código dos contratos públicos”.

A lista inclui oito despesas — as mais avultadas devem ser realizadas entre 2016 e 2018 — cujo valor total ultrapassa ligeiramente os 400 milhões de euros (cerca de 405 milhões de euros). Produção do cartão do cidadão, aquisição de refeições para cantinas de estabelecimentos prisionais e educativos, apoios do Estado ao ensino especial e artístico, são algumas das despesas que receberam luz verde para avançar, com um valor mais avultado.

Em alguns destes casos é necessária a abertura de um concurso público internacional para escolher o ou os fornecedores, um procedimento que exige tempo. Este foi um dos argumentos invocados pelo ministro da Presidência, quando questionado após o Conselho de Ministros sobre a legitimidade para autorizar despesas significativas a executar por um período longo de tempo, tão perto do final da legislatura e das eleições.

Luís Marques Guedes começou por sublinhar que o governo não está em gestão corrente, mas em plenitude de funções até ao final do mandato. Considerando “normal” que estes concursos internacionais tenham de ser lançados com o tempo próprio, o ministro lembrou que estão em causa procedimentos trianuais.

Não há razão absolutamente nenhuma, pelo contrário seria uma irresponsabilidade da parte deste governo deixar para o próximo estes assuntos por tratar quando não haveria tempo útil para que pudessem ser tratados”.

As despesas autorizadas:

  1. Contratação junto da Imprensa Nacional-Casa da Moeda de serviços de conceção, produção, personalização e emissão do cartão do cidadão para o período de 2016 a 2018, até ao montante global de 82 milhões de euros.
  2. Despesa relativa à aquisição de refeições destinadas às populações dos centros educativos e dos estabelecimentos prisionais, no período de 2016 a 2018, até ao valor máximo de cerca de 62,44 milhões de euros.
  3. Abertura do concurso público para aquisição dos serviços para a exploração do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde. A despesa total autorizada é de cerca de 27,95 milhões de euros, para o período de 2016 a 2019.
  4. Autorizado apoio financeiro aos estabelecimentos de ensino particular de educação especial que celebrem contratos de cooperação para o ano letivo de 2015-2016. O montante máximo autorizado é de cerca de 4,8 milhões de euros.
  5. Despesa com o apoio do Estado a cooperativas e associações de ensino especial e a instituições particulares de solidariedade social que celebrem contratos de cooperação para o ano letivo de 2015-2016. O montante global autorizado é de cerca de 4,95 milhões de euros.
  6. Despesa destinada ao apoio financeiro a Centros de Recursos de Apoio à Inclusão que celebrem contratos de cooperação para o ano letivo de 2015-2016 por um montante global de cerca de 10,48 milhões de euros.
  7. Despesa com aquisição de conteúdos a disponibilizar via b-on, uma iniciativa gerida e operacionalizada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., em 2016-2018. O montante autorizado é de 47,29 milhões de euros e respeitam aos contratos celebrados entre esta Fundação e os fornecedores de conteúdo.
  8. Autorizada despesa destinada ao apoio a estabelecimentos de ensino artístico especializado que celebrem contratos de patrocínio para os anos letivos de 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018. O montante global autorizado é de 165 milhões de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)