Miguel Macedo já viu ser levantada a imunidade parlamentar e deverá ser formalmente constituído arguido até aos primeiros dias de novembro. O Correio da Manhã noticia que o ex-ministro da Administração Interna está a ser investigado por prevaricação e tráfico de influências.

Macedo, que se demitiu após a detenção do ex-diretor do SEF, Jarmela Palos, e do ex-presidente do Instituto dos Registos e Notariado (IRN), António Figueiredo, deverá ser constituído arguido cerca de um ano depois das detenções. O processo dos vistos Gold investiga várias pessoas por corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influências.

A “Operação Labirinto” investiga a atribuição fraudulenta dos chamados vistos gold. Os indícios do envolvimento do ex-ministro baseiam-se em conversas escutadas onde o seu nome – em código, “cavalo branco” – é referido em pedidos para facilitar a entrega dos vistos a cidadãos chineses, ou em ofertas alegadamente dadas por Macedo a cidadãos chineses na altura do Natal, que poderão ser encaradas como contrapartidas por serviços prestados. Miguel Macedo é ainda visado no processo de facilitação da atribuição de vistos a cidadãos líbios que pretendiam fazer tratamentos médicos em hospitais privados portugueses.