Comeu há pouco tempo, mas passado um bocado já está com fome outra vez? Dá voltas à cabeça e ao estômago a tentar perceber porque é que isso acontece?

Se quer a explicação científica detalhada, dê uma volta pelo estudo realizado por investigadores da Universidade de Rutgers que revela que o consumo de  alguns alimentos em excesso, em especial os ricos em gorduras, se deve a  uma resposta hormonal incontrolável, similar à que acontece nos processos de adição, os vícios.

“O desejo de comer é regulado por necessidades fisiológicas, mas também é motivado pelo prazer associado à  ingestão de alguns alimentos, particularmente de alimentos saborosos”, escrevem os autores. Ou seja, “a alimentação é um comportamento adaptativo que envolve comunicação entre circuitos integrados de alimentação homeostáticos e circuitos de recompensa”, refere o estudo. Em termos objetivos, quando há uma redução no organismo dos níveis da hormona GLP-1, o cérebro ‘solicita’ o consumo de alimentos com elevados níveis de gordura (que provocam sensações de prazer) como ‘recompensa’.

O problema, diz a ciência, não está (apenas) na falta de força de vontade para seguir uma dieta à risca. É  fundamental manter o cérebro ‘satisfeito’ em termos de níveis de gordura  para evitar ‘recaídas’ e ‘facadas’ no seu plano alimentar. Conheça os sete alimentos que o podem ajudar a manter-se saciado por mais tempo e evitar ser atacado pela fome.

1. Iogurte grego
É dos iogurtes preferidos desde que surgiu no mercado. Além do seu conteúdo significativo em cálcio, o iogurte grego tem percentagens de gordura e proteína mais elevadas do que a de outros iogurtes. E os alimentos com níveis mais elevados de proteínas e gorduras são de digestão mais lenta, o que ajuda à manutenção da saciedade por períodos mais longos. O que os torna perfeitos seja para o pequeno-almoço, como sobremesa ou lanche.

2. Abacate: um acompanhamento diferente
O abacate é uma fruta com vários benefícios conhecidos, como o de ajudar a reduzir a inflamação das articulações  e a estabilizar a frequência cardíaca. Apesar destes benefícios, muitos evitam o consumo desta fruta pelo seu alto teor de gordura. No entanto, os especialistas em nutrição referem que para controlar o desejo de comer alimentos com gordura, o melhor é optar por alimentos ricos em gorduras monoinsaturadas, como o azeite, as nozes e o abacate.  Estes alimentos ajudam a evitar a fome e mantêm-no saciado.

3. Chá verde
Os benefícios do chá verde são muitos e já bem conhecidos dos investigadores, como o de  ajudar a reduzir a hipótese de sofrer de doença cardíaca. Outro benefício é o de ajudar a queimar a gordura abdominal. Um estudo realizado pela Universidade da Flórida mostrou que pessoas que tomaram entre 4 e 5 chávenas de chá verde por dia, durante dois meses, perderam quase mais um quilo mais do que aqueles que não tomaram a bebida. Isto deve-se do às catequinas encontradas no chá verde, que ajudam a libertar células de gordura, em especial do abdómen. Além disso, “a capacidade do fígado para converter gordura em energia, acelera”, refere a pesquisa. Já sabe, portanto, o que  beber ao pequeno-almoço ou ao longo do dia.

4. Humus
As leguminosas, como as  lentilhas, o feijão e o grão de bico são alimentos com propriedades de saciedade reconhecidas. Este tipo de alimentos é rico em ferro e proteínas. Uma forma agradável de consumir leguminosas, em especial grão de bico, pode ser através de uma porção de hummus.  Este aperitivo completo é típico do mundo arábe. Trata-se de uma mistura de puré de grão-de-bico cozido, taíne (pasta de sementes de sésamo, que pode encontrar à venda nas lojas de produtos naturais), azeite, umas gotas de sumo de limão, sal e alho. O melhor é comê-lo com palitos de cenoura ou pepino.

5. Cappuccino
Já todos o fizemos. Tomar um galão ou uma meia-leite para ‘enganar’ a fome. E afinal, não é uma ideia assim tão má… Mas  seria melhor se substituíssemos o tradicional café com leite por um capuccino. A razão está na espuma.  Segundo diversos estudos, consumir alimentos e bebidas com ‘espuma’ engana o seu cérebro e o intestino, que se sente saciado pelo ar presente nessas espumas. Isso reduz o apetite e evita o consumo de calorias extras.

6. Bananas
As bananas, especialmente quando verdes, são ricas num amido resistente, que não pode ser digerido no intestino e actua de uma maneira semelhante à fibra. Este tipo de amido serve de alimento para as bactérias da flora intestinal e promove o movimento e a regulação do intestino. Ou seja, é um fruto, que quando consumido verde, ajuda à saciedade e logo, à perda de peso. Uma sobremesa tão doce como saudável.

7. Pipocas
Muitos de nós só comem pipocas no cinema, ‘carregadas’ de açúcar ou sal, ou os dois, conforme a preferência. O  que talvez esta não seja a opção mais saudável, mas comer pipocas ‘ao natural’ já o é. Em especial se as comer antes de dormir. O seu conteúdo elevado em hidratos de carbono faz subir o nível de serotonina, o que ajuda a relaxar e a adormecer.  Logo são o sonífero ideal. Além de serem constituídas, maioritariamente por ar (e funcionarem assim como a ‘espuma’ dos capuccinos), ajudando a manter o estômago cheio por mais tempo, e logo, saciado.