Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O apresentador do boletim meteorológico do canal France 2, Philippe Verdier, é em França um nome muito conhecido pelas suas previsões diárias sobre se fará sol, chuva ou vento. Mas agora o apresentador foi retirado do ar, depois do lançamento controverso do seu livro “Climat Investigation” (Investigação do Clima), no qual critica os especialistas mundiais sobre as suas previsões sobre as alterações climáticas, conta o The Guardian.

“Eu recebi uma carta a dizer para não voltar, estou em choque”, contou Philippe Verdier à rádio RTL, avança o The Guardian. “Eu não sei mais do que isso, não sei quanto tempo durará. Tudo tem a ver com o meu livro (…) é a decisão da televisão francesa, eu não estou de férias”, acrescenta.

Verdier afirma no livro que os principais climatologistas e líderes políticos têm feito o mundo refém com os seus dados enganosos, explica o The Telegraph. No vídeo promocional do livro, o apresentador diz que todas as noites, quando abordava os cinco milhões de franceses a quem falava sobre o vento, as nuvens e o sol, não tinha sido capaz de lhes dizer algo importante porque não era o momento nem o lugar para o fazer.

https://www.youtube.com/watch?v=CkKIKJHLeu4

“Estamos reféns de um escândalo planetário sobre as mudanças climáticas, uma máquina de guerra cujo objetivo é manter-nos com medo”, disse Philippe Verdier. Ao que tudo indica os seus pontos de vista colocaram-no fora do canal France 2. O livro foi lançado num momento particularmente sensível, quando se aproxima a realização da conferência da ONU sobre as mudanças climáticas, a realizar-se em Paris, em dezembro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo o The Telegraph, o autor do livro escreve que os cientistas de topo são manipulados e politizados, já que muitas vezes as suas investigações dependem do financiamento do Estado. Para além disso, Philippe Verdier desafia no seu livro o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), acusando-os de apagar dados que íam contra as suas conclusões, lançando ainda dúvidas sobre a precisão dos seus modelos climáticos.

Philippe Verdier contou que decidiu escrever o livro em junho de 2014, quando o Ministro dos Negócios estrangeiros francês, Laurent Fabius, convocou os principais apresentadores dos boletins meteorológicos do país e os incitou a mencionar o caos climático nas suas previsões, explica o The Telegraph.

“Fiquei horrorizado com aquele discurso”, disse Verdier à revista Les Inrockuptibles e contou ainda que oito dias depois o ministro apareceu na capa de uma revista com um meteorologista e a machete “500 dias para salvar o planeta”. “Se o ministro decide que é o Senhor meteorologista, então o Senhor meteorologista pode expressar-se sobre o assunto”, acrescenta.

Philippe Verdier considera que o “discurso do apocalipse” exerce sobre as pessoas uma pressão vergonhosa e que os líderes estão a tentar forçar mudanças para que estas se ajustem e se adequem aos seus próprios calendários políticos.