Rádio Observador

Mundo

Meteorologista francês afastado da televisão por questionar mudanças climáticas

167

O meteorologista francês, Philippe Verdier, foi afastado do canal de televisão France 2 onde apresentava o boletim meteorológico, depois de ter lançado livro em que questiona alterações climáticas.

O meteorologista, Philippe Verdier, que foi afastado depois do lançamento do livro "Climat Investigation".

AFP/Getty Images

O apresentador do boletim meteorológico do canal France 2, Philippe Verdier, é em França um nome muito conhecido pelas suas previsões diárias sobre se fará sol, chuva ou vento. Mas agora o apresentador foi retirado do ar, depois do lançamento controverso do seu livro “Climat Investigation” (Investigação do Clima), no qual critica os especialistas mundiais sobre as suas previsões sobre as alterações climáticas, conta o The Guardian.

“Eu recebi uma carta a dizer para não voltar, estou em choque”, contou Philippe Verdier à rádio RTL, avança o The Guardian. “Eu não sei mais do que isso, não sei quanto tempo durará. Tudo tem a ver com o meu livro (…) é a decisão da televisão francesa, eu não estou de férias”, acrescenta.

Verdier afirma no livro que os principais climatologistas e líderes políticos têm feito o mundo refém com os seus dados enganosos, explica o The Telegraph. No vídeo promocional do livro, o apresentador diz que todas as noites, quando abordava os cinco milhões de franceses a quem falava sobre o vento, as nuvens e o sol, não tinha sido capaz de lhes dizer algo importante porque não era o momento nem o lugar para o fazer.

“Estamos reféns de um escândalo planetário sobre as mudanças climáticas, uma máquina de guerra cujo objetivo é manter-nos com medo”, disse Philippe Verdier. Ao que tudo indica os seus pontos de vista colocaram-no fora do canal France 2. O livro foi lançado num momento particularmente sensível, quando se aproxima a realização da conferência da ONU sobre as mudanças climáticas, a realizar-se em Paris, em dezembro.

Segundo o The Telegraph, o autor do livro escreve que os cientistas de topo são manipulados e politizados, já que muitas vezes as suas investigações dependem do financiamento do Estado. Para além disso, Philippe Verdier desafia no seu livro o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), acusando-os de apagar dados que íam contra as suas conclusões, lançando ainda dúvidas sobre a precisão dos seus modelos climáticos.

Philippe Verdier contou que decidiu escrever o livro em junho de 2014, quando o Ministro dos Negócios estrangeiros francês, Laurent Fabius, convocou os principais apresentadores dos boletins meteorológicos do país e os incitou a mencionar o caos climático nas suas previsões, explica o The Telegraph.

“Fiquei horrorizado com aquele discurso”, disse Verdier à revista Les Inrockuptibles e contou ainda que oito dias depois o ministro apareceu na capa de uma revista com um meteorologista e a machete “500 dias para salvar o planeta”. “Se o ministro decide que é o Senhor meteorologista, então o Senhor meteorologista pode expressar-se sobre o assunto”, acrescenta.

Philippe Verdier considera que o “discurso do apocalipse” exerce sobre as pessoas uma pressão vergonhosa e que os líderes estão a tentar forçar mudanças para que estas se ajustem e se adequem aos seus próprios calendários políticos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)