Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Rússia cortou fornecimento de gás à Ucrânia. Outra vez.

Gigante do gás russo, Gazprom, diz que a Naftogaz não fez novos pagamentos de gás e por isso cortou a partir das 7h00 de hoje o fornecimento de gás a Kiev.

MAXIM SHIPENKOV/EPA

A empresa estatal russa Gazprom cortou o fornecimento de gás à Ucrânia às 7h00 de hoje por falta de pagamento, reabrindo mais um capítulo numa disputa entre Moscovo e Kiev que já leva mais de dez anos, e que coloca mais uma vez em risco o fornecimento de gás à Europa.

Segundo o presidente da Gazprom, a empresa ucraniana Naftogaz já tem todo o gás pelo qual pagou e por isso não receberá mais enquanto não pagar. Como não foi feito nenhum novo pagamento à cabeça, a empresa russa decidiu interromper o fornecimento de gás à Ucrânia.

Alexei Miller fez ainda questão de sublinhar que a recusa ucraniana de pagar pelo fornecimento de gás vai colocar “sérios riscos” ao fornecimento de gás à Europa, isto porque cerca de um quarto do gás consumido na Europa é de origem russa e a grande maioria do gás que os russos vendem à Europa passa pelos gasodutos ucranianos, ainda da era soviética.

A Alemanha é o país que mais depende do gás russo na Europa, mas em pior condição está a Turquia, que é o segundo país que mais gás compra à Rússia, e a Rússia é o seu principal fornecedor, numa altura em que as relações entre os dois países estão muito tremidas. As forças turcas abateram um avião russo na Síria esta terça-feira, acusando-o de violar o seu espaço aéreo. Putin acusou os turcos de serem cúmplices dos terroristas.

Devido à sequência de crises entre as duas maiores empresas de fornecimento de gás russo e ucraniano, a Rússia disse que queria acabar com o transporte de gás para a Europa através da Ucrânia até 2018, mas o plano era construir um gasoduto que passaria pelo mar negro até à Turquia, entregando o gás à Europa entre a Turquia e a Grécia.

A disputa é antiga e já levou a vários cortes no fornecimento de gás à Ucrânia, que acontecem sempre perto ou no inverno, quando o combustível é de especial importância. Os russos acusaram por várias vezes a empresa ucraniana de roubar gás que deveria seguir para a Europa, não pagar as suas contas normais e o gás que alegadamente rouba.

Uma das maiores disputas aconteceu em 2005, com os russos a acusarem os ucranianos de desviarem o gás que tinha como destino a Europa para uso doméstico e não pagar. A Naftogaz acabou por admitir o desvio, mas a disputa manteve-se pelos custos de transporte e pelo preço do gás natural.

As duas empresas voltaram a lutar nos anos seguintes – e quase todos os anos. Em 2010, por exemplo, a Ucrânia queria reduzir as compras de gás, devido a menores necessidades da sua economia (que estava em recessão), mas a Gazprom exigiu que comprasse a mesma quantidade gás e que honrasse o contrato, mesmo sem necessitar.

O fornecimento de gás à Europa pela gigante russa foi interrompido pelo menos duas vezes na época passada. Mais afetados por este corte têm sido Bulgária, Grécia, Macedónia, Roménia, Croácia e Turquia.

Desde 2010 que o acordo entre as duas empresas mudou. A Gazprom só distribui gás à Ucrânia se a Naftogaz fizer pagamentos à cabeça. Sem isso, o fornecimento de gás é cortado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)