Rádio Observador

Banif

Finanças. Proposta da Apollo para o Banif não chegou a tempo e não era vinculativa

Ministério das Finanças diz que proposta da Apollo para o Banif foi feita fora do prazo e não era vinculativa. Segundo o Público, esta oferta era melhor para os contribuintes. PCP questiona governo.

Tiago Petinga/LUSA

O Ministério das Finanças esclareceu esta sexta-feira que a proposta da Apollo para o Banif chegou fora do prazo de entrega e não era vinculativa. Ou seja, não cumpria o estipulado no caderno de encargos do concurso lançado pela administração do banco para a venda da participação do Estado.

O esclarecimento surge na sequência de uma notícia avançada pelo jornal Público, segundo a qual o fundo americano que é dono da Tranquilidade tinha feito uma proposta mais favorável para os contribuintes do que a do Santander, mas que foi recusada pelo Banco Central Europeu.

Nas contas do jornal, a solução avançada pela Apollo limitaria as perdas do Estado no banco a 700 milhões de euros, uma vez que envolvia uma recapitalização do Banif e a devolução dos 125 milhões de euros de CoCos. A solução encontrada acabou por envolver 2.225 milhões de euros, valor que poderá chegar a três mil milhões de euros.

O Ministério das Finanças, que era o vendedor, não nega estas vantagens, mas sublinha que a Apollo, para tornar a proposta vinculativa, “necessitava de um tempo que excedia o calendário definido pelas autoridades europeias para fechar o negócio”.

Tal como o Banco de Portugal, também o Ministério das Finanças remete responsabilidades na solução encontrada para as condições, designadamente temporais, exigidas pelas autoridades europeias, a Comissão Europeia, por um lado, e o Banco Central Europeu, por outro lado.

O Partido Comunista vai entretanto questionar o governo sobre uma alegada imposição por parte do Banco Central Europeu da venda do Banif ao Santander Totta, face às condicionantes colocadas pelas entidades europeias. O deputado comunista Miguel Tiago pretende também esclarecimentos sobre os ativos por impostos diferidos que terão passado do Banif para o banco controlado pelo grupo espanhol.

De acordo com o Diário Económico, estes ativos, que configuram um crédito fiscal futuro, valiam 289 milhões de euros no terceiro trimestre de 2015. Também o Novo Banco, e o seu futuro acionista, beneficiam da transferência destes ativos, por conta de prejuízos passados (neste caso do BES), e que permitem abater o imposto a pagar sobre lucros futuros. O Santander Totta comprou o negócio saudável do Banif por 150 milhões de euros.

As perguntas do PCP para o Ministério das Finanças:

  1. Confirma que houve ofertas privadas para a compra do Banif que implicariam menor esforço financeiro público do que a venda ao Santander?
  2. Confirma que tais opções foram inviabilizadas pelo Banco Central Europeu?
  3. Confirma a existência de um crédito fiscal por impostos diferidos a favor do Banif que ascende a 289 milhões de euros e que transita para o Santander?
  4. Qual a contabilização desse crédito no balanço do Banif e de que forma foi tida em conta para a avaliação do valor de venda?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)