Oito agências de modelos deverão ir a tribunal no próximo mês, para responder a acusações feitas por várias modelos. Em causa estão alegados trabalhos que não foram pagos nem sequer comunicados, consumo de drogas, relações sexuais com menores ou até a imposição de intervenções cirúrgicas para reduzir a massa muscular e emagrecer o corpo.

A notícia é avançada pelo ABC que cita o Daily Mail. Debaixo de fogo estão as agências mundiais Elite (que tem uma representação portuguesa), a Click, Whilemia Models, Next Management, Major Model Managment, MC2, MC2 Model e Talent Miami.

A história começou quando a modelo Lousia Raske viu uma fotografia sua numa caixa de tintas para cabelo da L’Oreal, mas a modelo nunca tinha autorizado aquela campanha. A agência respondeu depois que tinha sido um erro mas a campanha continuou no ar. Lousia não recebeu nada pelo trabalho. Depois de falar com outros modelos, percebeu que o uso da imagem sem consultar a modelo era recorrente e, todos juntos, decidiram denunciar outras situações.

Nas “situações” denunciadas estão ainda a pressão para emagrecer, revelada por uma modelo que foi forçada a praticar exercício físico com um personal trainer por estar “demasiado gorda”. Essa modelo vestia o 36, esclarece o ABC. Houve agências a pagar lipoaspirações a modelos para emagrecer determinadas partes do corpo. Em contrapartida, elas tinham mais trabalhos sem receber mais por isso.

As exigências com a magreza de modelos não são novas. A modelo Erin Heatherton denunciou no mês passado que a Victoria’s Secret, marca para a qual trabalhou como “anjo” entre 2011 e 2013, lhe pediu para emagrecer. Em entrevista ao site Motto, da revista Time, Erin confessava que tentou corresponder ao pedido com alimentação saudável e exercício físico duas vezes por dia, mas optou por desistir. Contou ela que, a determinada altura, o seu corpo “já não respondia” e sentia-se deprimida. “Uma noite cheguei a casa depois de um treino e lembro-me de olhar fixamente para a comida e pensar que talvez devesse simplesmente deixar de comer”, admitiu.

Aqui há quem também fale em abuso sexual, mas esta acusação não é clara. Uma modelo adianta que o seu manager na agência lhe sugeriu que tivesse relações sexuais com os fotógrafos para conseguir mais trabalhos. Segundo a mesma fonte, houve uma jovem de 15 anos que teve relações sexuais a troco de ser contratada por uma agência. Há ainda modelos a denunciar consumo de drogas mas não contam casos específicos.

A pressão existia não só para emagrecer, mas também para que as modelos se rodeassem de pessoas que lhes pudessem trazer influência pública. Melissa Baker, que trabalhou na Click desde 2010, tinha o namorado em combate no Afeganistão. Ela contou ao Daily Mail que foi pressionada para terminar a relação e aproximar-se de um desportista famoso. Se todas as acusações se provarem verdadeiras, as agências poderão ter de pagar milhares às modelos como forma de compensação.