São antigos espiões que estiveram ao serviço do SIED (Serviço de Informações Estratégicas de Defesa) e do SIS (Serviço de Informações de Segurança). Agora, vendem informações a políticos e empresários, através da Intellcorp, uma espécie de secretas privadas. A empresa foi fundada por Rúben Ribeiro, um antigo Oficial de Informações do SIED, e por David Santos, professor universitário e antigo líder de uma empresa de consultoria de investimento, e assume, no seu site oficial, que “é a primeira empresa em Portugal a oferecer serviços de Intelligence privados”. Apesar de a apresentação oficial da empresa apenas mostrar os dois co-fundadores, o Diário de Notícias avança que integram a Intellcorp pelo menos mais dois antigos espiões do SIED e um do SIS.

Segundo o site da empresa, este tipo de serviços está habitualmente “associado a entidades governamentais que são responsáveis pela recolha, análise e difusão da informação que garante o cumprimento da lei e a defesa do interesse nacional”. Mas esta empresa vai mais longe, e pretende dar ao cliente “a possibilidade real de ter à sua disposição instrumentos de defesa, controlo e ataque que não são habituais oferecer ao setor privado“. O objetivo de Intellcorp é “estar no coração do negócio do medo”, e proteger “a todo o custo” o cliente, lê-se na página.

Os clientes, esses, podem ser de vários tipos, mas sempre na esfera mais alta da sociedade. São aqueles que querem neutralizar “qualquer tipo de ameaça” à sua posição política ou empresarial. A empresa até dá exemplos: “temos um determinado indivíduo, que embora bem-sucedido no seu trabalho ambiciona ir mais além”, explica a empresa. “Neste caso ter à sua disposição um serviço de Intelligence significa ter do seu lado uma empresa que é capaz de responder com clareza, por exemplo, quem é quem dentro dos ambientes com quem este indivíduo se cruza no seu dia-a-dia. É a possibilidade também de abrir canais, com contactos estratégicos na política ou até na cúpula da empresa para que trabalha para que o seu caminho seja mais fácil“, esclarece-se no site oficial.

Além da esfera política, também os empresários representam potenciais clientes para este serviço de espiões.”Um bom serviço de Intelligence aplicado a este contexto permitirá ao nosso cliente tomar consciência das fragilidades da empresa ou do indivíduo alvo, de modo a que este possa ser ultrapassado sem mais problemas”, lê-se na página.

O que não se sabe é, como seria de esperar, qual o método utilizado. Apenas que a empresa atua “de modo a neutralizar as capacidades de ameaça através de processos específicos num contexto informativo delicado e já identificado pela IntellCorp”. E a empresa admite: “Somos muitas vezes, na sombra, uns dos principais intervenientes em plena arena política, social e económica”. Um dos fundadores, David Santos, explicou ao Diário de Notícias que ter ex-espiões na equipa tem vantagens. “O que eles fazem é a recolha de informações, não só através de fontes abertas, mas também através dos canais próprios e contactos que têm. Conseguimos em poucas horas saber tudo ou quase tudo sobre alguém“, garante o empresário.

Ao jornal, David Santos, explicou que a empresa ainda não está divulgada oficialmente. “Estamos ainda numa fase low profile, apenas divulgando aos nossos contactos privilegiados”, explicou o empresário, assumindo que já tem clientes. “Posso confirmar que já temos alguns políticos e empresários clientes, em Portugal e no estrangeiro”, revela.

Em termos legais, a empresa garante no seu site: “Estamos, de forma absoluta, comprometidos com a legalidade de todas as nossas operações”. Mas, ao Diário de Notícias, o constitucionalista e ex-presidente do Conselho de Fiscalização das secretas, Jorge Bacelar Gouveia, explicou que “apesar de os ex-espiões estarem sujeitos a um período de «nojo» até aos cinco anos antes de irem para o privado, é de muito difícil controlo saber que segredos, contactos, fontes, trouxeram dos serviços”, sublinhando que os ex-espiões “estão sujeitos à lei do segredo de estado”.