440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Descarrilamento de comboio na Galiza provoca quatro mortos, um deles português

Este artigo tem mais de 5 anos

O maquinista era português e morreu. Outros três passageiros portugueses ficaram feridos. A composição pertence à Renfe, mas a CP alugou-a para prestar este serviço.

4 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um comboio de passageiros que fazia a ligação entre Vigo e o Porto descarrilou na manhã desta sexta-feira perto da estação de O Porriño (Pontevedra, na região da Galiza, em Espanha). O acidente causou quatro mortos e pelo menos 48 feridos, sete dos quais em estado grave. Uma das vítimas mortais é o maquinista do comboio, que é português. Há ainda três portugueses hospitalizados com ferimentos. Os outros mortos são o revisor (de nacionalidade espanhola), um turista norte-americano e um maquinista em formação, que viajava como passageiro. Tinha 23 anos.

Marcelo transmite "profundo pesar"

Mostrar Esconder

O Presidente da República publicou uma mensagem de pesar na página da Presidência, transmitindo “às famílias das vítimas mortais, em nome do Povo Português e no meu próprio, os sentimentos do nosso profundo pesar e as nossas mais sentidas condolências e desejar aos feridos rápido restabelecimento”.

“O nosso pensamento está com todos aqueles que foram atingidos neste acidente e, em particular, com quantos sofreram a dor das perdas humanas, a quem transmitimos a nossa mais profunda solidariedade”, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Chegou a pensar-se na possibilidade de haver uma quinta vítima mortal, ainda presa dentro da carruagem, mas Manuel Queiró, presidente da CP, confirmou que todas as pessoas foram retiradas de dentro da composição. O comboio, o Celta, faz regularmente a ligação entre o Porto e a cidade de Vigo, em Espanha. Está suspensa neste momento a circulação dos comboios na linha Pontevedra — Tui — Portugal. De acordo com um comunicado da CP enviado à comunicação social, o presidente da instituição dirigiu-se ao local do acidente para acompanhar de perto a situação. A CP confirma que está “em estreito contacto” com as autoridades espanholas “e com a sua congénere Renfe”.

O comboio Celta tinha partido de Vigo às 8h02 (hora portuguesa) e tinha chegada prevista ao Porto às 10h18. No comboio seguiam 69 passageiros. O acidente ocorreu às 8h23 portuguesas.

O Porriño fica situado cerca de 15 quilómetros a norte da cidade portuguesa de Valença.

De acordo com Manuel Queiró, “o material estava em perfeitas condições” e tinha feito a última grande revisão em maio, em Espanha. Na quinta-feira, no Porto, o comboio tinha sido também alvo de uma revisão mais pequena. O responsável descartou também a hipótese de o acidente ter sido provocado pelas obras que decorriam naquela via. A CP e a Renfe estão neste momento a efetuar uma investigação conjunta para apurar os factos.

Ao local foram chamadas várias corporações de bombeiros, incluindo portuguesas, e os serviços de Proteção Civil. Também equipas médicas foram enviadas para o local, de helicóptero, a partir de Santiago de Compostela e Ourense, segundo o jornal La Voz de Galicia.

De acordo com a autarca de O Porriño, aquela via estava atualmente em obras para que os comboios pudessem circular com mais velocidade dentro da povoação. A notícia é avançada pelo jornal El Español. De acordo com o ministro da Economia espanhol, essas obras obrigavam os maquinistas a reduzir a velocidade naquele local. Para já ainda não se sabe se o comboio abrandou, como previsto.

Logo após o acidente, a Renfe, que gere a circulação de comboios em Espanha, lamentou o sucedido através do Twitter:

A Adif, entidade que gere as estruturas ferroviárias (equivalente às Infraestruturas de Portugal) em Espanha, já anunciou que abriu uma investigação para determinar as causas do acidente.

O comboio, composto por três carruagens, terá embatido contra um poste junto à linha. De acordo com informações prestadas pela autarca de O Porriño, Eva García de la Torre, bateu inicialmente contra a base de um viaduto, antes de descarrilar e embater definitivamente num poste de iluminação, 200 metros antes da estação.

Acidente sob investigação

Os comboios que prestam o serviço Celta são propriedade da Renfe e têm trinta anos. A CP alugou-os em 2013, quando inaugurou uma ligação direta entre Campanhã e a cidade galega de Vigo. Inicialmente, o comboio não fazia qualquer paragem entre essas duas estações, mas a meio de 2014 começou a efetuar três paragens intermédias — em Valença, Viana do Castelo e Nine. A composição não parava em O Porriño. Trata-se de um comboio a diesel que alcança uma velocidade máxima de 120 quilómetros por hora.

No local do acidente, o ministro da Economia espanhol garantiu que “o comboio cumpria com todos os requisitos” e lembrou que “foi desmontado completamente em maio e ontem mesmo, em Portugal, passou por outra” revisão. O primeiro-ministro espanhol em funções, Mariano Rajoy, esteve também em O Porriño, onde se inteirou sobre a situação. “Agora o que nos resta, fundamentalmente, é que as pessoas se curem com a maior rapidez possível e que possam regressar às suas casas. Esse é o objetivo prioritário”, disse Rajoy, que expressou igualmente o desejo de que “o serviço rodoviário possa restabelecer-se com a maior celeridade e que a investigação esclareça as causas do acidente”.

O comboio que liga o Porto a Vigo tem um sistema de segurança chamado Asfa, mas não a versão mais recente — que trava automaticamente uma composição caso a velocidade desta esteja acima do limite previsto em cada troço. Este sistema, mais básico, apenas emite um sinal luminoso ou sonoro que obriga o maquinista a reduzir a velocidade. Ainda não é certo, neste momento, se o comboio abrandou ou não, como devia.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.