Rádio Observador

Concertação Social

Concertação. Toma lá: 557 euros de salário mínimo. Dá cá: 1,25 de TSU

625

Há acordo na concertação social. O salário mínimo nacional sobe para os 557 euros, mas em contrapartida os patrões vão ter uma descida de 1,25 da Taxa Social Única (TSU). CGTP não assinou acordo.

PEDRO NUNES/LUSA

Há acordo na concertação social entre os parceiros sociais e o Governo quanto ao salário mínimo nacional, que será mesmo de 557 euros a partir de 1 de janeiro. Como contrapartida, os patrões que terão de suportar esse aumento vão pagar menos de 1,25 pontos percentuais de Taxa Social Única (TSU) desses trabalhadores. A CGTP ficou de fora, insistindo que o aumento deveria ser até aos 600 euros.

O Governo enfrenta a oposição dos partidos à sua esquerda, como o PCP e o Bloco, que são contra “descontos para os patrões”. À saída da reunião, o ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que o governo desceu a TSU, considerando que este “é um apoio que se justifica para algumas empresas, que terão um pouco mais de dificuldade em suportar esta variação” e que assim o podem “fazer de uma forma um pouco mais fácil.” Vieira da Silva destacou que este é um “bom resultado para Portugal” e que é importante “construir consensos alargados”.

O ministro diz que “naturalmente que é importante que haja ambição política e capacidade de decisão, mas cometeremos um erro se desvalorizarmos o papel da concertação“. Lembrou que “o governo podia decidir sem acordo”, o que é “legalmente possível”, mas optou por valorizar a concertação social.

O primeiro a falar sobre o assunto, à saída da reunião de concertação social, foi o presidente da Confederação Empresarial de Portugal – CIP, António Saraiva que admitiu ainda que está a ser “calendarizado um conjunto de ações para a verificação de uma evolução do salário mínimo, mas sem definir valores“. António Saraiva destaca no entanto que a única coisa que está garantida é “uma metodologia de avaliação do valor do salário mínimo nacional” e que para os patrões continua a ser necessária “estabilidade fiscal” e “estabilidade laboral”. Mais tarde, à SIC Notícias, o dirigente da CIP confessou que este não foi o acordo desejado, “mas foi o possível”. “Continua a ser um valor baixo para aqueles que recebem e um valor alto para algumas empresas poderem pagar”, afirmou, salientando, no entanto, que o mais importante neste acordo é a “estabilidade social”.

Embora a CGTP não tenha assinado o acordo, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou que “valeu a pena” a central sindical “denunciar e combater a estratégia patronal que visava atualizar o salário mínimo nacional abaixo dos 557 euros”.

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, admitiu que este foi um “acordo muito difícil de arrancar” e destacou que foi “muito importante que fixássemos uma métrica para os próximos anos” e que fossem estabelecidos “compromissos” para que houvesse uma evolução do valor no futuro. Carlos Silva disse ainda que este acordo para a concertação é um “bom sinal para a paz social”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)