O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, defendeu esta segunda-feira que o canal televisivo norte-americano Fox News devia apresentar desculpas ao presidente russo, Vladimir Putin, por o ter qualificado de “assassino” numa entrevista com o presidente norte-americano.

“Consideramos que tais declarações por parte do jornalista da Fox News são inadmissíveis, ofensivas e, para dizer a verdade, preferíamos que esta respeitável empresa televisiva apresentasse as suas desculpas ao presidente Putin”, declarou aos jornalistas.

O porta-voz do Kremlin recusou-se, no entanto, a fazer qualquer comentário sobre a reação de Trump, que em resposta convidou de modo surpreendente os Estados Unidos a efetuarem um exame de consciência.

Numa entrevista divulgada no domingo, o jornalista da Fox News Bill O’Reilly pressionou Trump sobre a alegada ligação de Putin ao assassínio extrajudicial de jornalistas e dissidentes dizendo: “mas ele é um assassino, Putin é um assassino”. Trump respondeu: “Nós temos muitos assassinos. Pensa que o nosso país é assim tão inocente?”.

“Olhe também para o que nós fizemos. Fizemos muitas coisas erradas”, adiantou. A vontade de Trump de estabelecer boas relações com Moscovo suscita preocupações em Washington e esta nova réplica originou uma salva de críticas nas redes sociais e na imprensa. O presidente norte-americano repetiu na entrevista ser melhor o entendimento com a Rússia do que o contrário, nomeadamente no quadro da luta contra o grupo extremista Estado Islâmico.

Trump e Putin falaram ao telefone a 28 de janeiro, pela primeira vez desde que o presidente norte-americano assumiu funções. A Casa Branca disse ter sido “um começo significativo para melhorar as relações entre os Estados Unidos e a Rússia”.