O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai assinar esta segunda-feira uma nova versão do seu decreto sobre imigração que foi bloqueado pela justiça americana, anunciou a conselheira presidencial Kellyanne Conway, mas que deixará o Iraque de fora da lista de sete países que originalmente estavam sujeitos às restrições.

“Um novo decreto hoje”, disse Kellyanne Conway, numa entrevista ao canal de televisão Fox News, acrescentando o novo texto deverá entrar em vigor a 16 de março. A versão anterior do controverso decreto presidencial, assinada poucos dias depois da tomada de posse de Trump (a 20 de janeiro), previa a suspensão da chegada aos Estados Unidos de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias – para os refugiados sírios o prazo era indeterminado.

Impedia ainda a entrada no território norte-americano durante três meses aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria.

Agora, a administração está apostada em contornar as recentes decisões da justiça e deverá agora retirar da lista das restrições as pessoas com vistos e autorizações de residência. Outra das mudanças, segundo a conselheira de Trump, é que a suspensão por tempo indeterminado do programa de refugiados deixa de ser por tempo indeterminado.