A Polícia Judiciária (PJ) fez buscas em três empresas de transportes belgas, que recorreram aos serviços de uma organização criminosa a operar em Portugal e na Eslováquia, e que são suspeitas de terem cometido fraudes à segurança social belga num montante próximo dos sete milhões de euros.

Esta operação da PJ está integrada num esforço de investigação conjunta internacional com autoridades policiais francesas, belgas e eslovacas. Ainda no âmbito desta operação, a Polícia Judiciária Federal da Flandres Oriental, com a colaboração dos serviços de inspeção social, realizou doze buscas em Bruxelas, Malines, Wavre-Sainte-Catherine, Hamme, e Pervijse.

Foram detidas duas pessoas e apresentadas cinco para interrogatório judicial. As autoridades belgas apreenderam ainda dez viaturas. Num comunicado enviado às redações, a Polícia Judiciária revela também que deteve um jovem, de 16 anos, pela presumível prática dos crimes de sabotagem informática e acesso ilegítimo.

Esta detenção é o resultado da investigação a ataques ocorridos a diversos sistemas informáticos, na sua maioria, ligados a organismos do Estado. Anteriormente a Polícia judiciária já havia efetuado outras detenções no âmbito do mesmo processo, publicitadas por operações Caretos I e II.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Noutra investigação, as autoridades portuguesas identificaram e detiveram dois cidadãos estrangeiros, presumíveis autores de um crime de tráfico de estupefacientes, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Os suspeitos entraram em território nacional provenientes de um país da América Latina transportando no interior do organismo uma quantidade total de cocaína equivalente a mais de 22 mil doses individuais. “De acordo com a informação recolhida no decurso da investigação, o produto estupefaciente apreendido destinava-se a abastecer os circuitos ilícitos de distribuição em território nacional”, explica ainda a Polícia Judiciária. Os detidos, de 25 e 43 anos de idade, foram presentes a primeiro interrogatório, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.