GNR

GNR sinalizou mais idosos a viver sozinhos ou isolados

Os resultados da operação "Censos Sénior 2017" foram divulgados esta terça-feira e revelaram que, dos mais de 45 mil inquiridos, cerca de 28 mil vivem sozinhos. A maioria são mulheres.

A maioria dos idosos que vivem sozinhos ou isolados são mulheres

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

A GNR sinalizou 45.516 idosos a viver sozinhos ou isolados em todo o país, mais 2.194 do que na operação “Censos Sénior” realizada em 2016, anunciou esta terça-feira aquela força de segurança.

Dos 45.516 idosos identificados, 28.279 vivem sozinhos, 5.124 residem em locais isolados e 3.521 vivem sozinhos e isolados, adianta a Guarda Nacional Republicana, num comunicado para divulgar os resultados da operação “Censos Sénior 2017”.

Os militares da GNR encontraram ainda 8.592 idosos que vivem acompanhados, mas encontram-se “em situação de vulnerabilidade fruto de limitações físicas ou psicológicas”. A corporação sublinha que as situações de “maior vulnerabilidade foram reportadas às entidades competentes, sobretudo de apoio social, no sentido de fazer o seu acompanhamento futuro”. A maioria dos idosos que vivem sozinhos ou isolados são mulheres, designadamente 30.172, enquanto 15.344 homens vivem nesta situação.

No âmbito da operação “Censos Sénior 2017”, que se realizou em todo o país entre 1 e 31 de março, a GNR registou mais 2.194 idosos a viver sozinhos ou isolados do que em 2016, quando viviam nestas condições 43.322. Realizada anualmente pela GNR desde 2011, a operação “Censos Sénior” tem como objetivo identificar a população idosa que vive sozinha e isolada, atualizar os registos das edições anteriores e identificar novas situações.

Desde 2011 que a GNR tem sinalizado cada vez mais idosos a viver nestas condições. Em sete anos, o número de idosos sinalizados quase que triplicou, passando dos 15.596, em 2011, para os 45.516, em 2017.

Segundo a GNR, estes dados “não refletem um aumento do número de idosos a viverem nestas situações, mas sim o facto dos censos sénior se constituírem como uma base de dados geográfica cada vez mais completa, potenciando assim um melhor apoio da GNR à população idosa”.

A corporação refere igualmente que vai continuar, ao longo do ano, a acompanhar os idosos sinalizados, através de visitas regulares às suas residências, além de realizar mais ações de sensibilização e fazer uma avaliação da sua segurança.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)