O Papa Francisco confirmou esta quinta-feira que os pastorinhos de Fátima, Francisco e Jacinta Marto, vão ser canonizados no próximo dia 13 de maio, durante a curta passagem do líder da Igreja Católica pelo Santuário de Fátima. A canonização das duas crianças vai acrescentar alguns detalhes à celebração a que Francisco irá presidir no recinto do Santuário a partir das 10h00 de dia 13 de maio.

Um dos detalhes mais importantes é o facto de a criança brasileira que foi alvo do milagre estar presente na missa com a sua família. Ao contrário do que é habitual com o Papa Francisco, que costuma evitar distribuir a comunhão para não criar distinções entre os fiéis, a criança e a família vão receber a comunhão das mãos do Papa Francisco.

As diferenças começam logo no início da celebração: o cortejo de entrada, que integra todos os participantes da missa, vai contar com a presença das relíquias dos novos santos — um fragmento de osso de Francisco Marto e uma madeixa de cabelo da sua irmã, Jacinta. As relíquias, conservadas em dois relicários em forma de candeias, poderão ser transportadas ou por acólitos ou pela própria postuladora da causa dos pastorinhos, a irmã Ângela Coelho.

Todo o rito da canonização acontecerá nos momentos iniciais da missa. Logo após a bênção inicial, o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, tomará a palavra para se dirigir ao Papa Francisco e fazer o pedido formal para que as duas crianças sejam inscritas no álbum dos santos. O texto a ser lido será qualquer coisa como:

“Santo Padre,
A Santa Mãe Igreja suplica a Sua Santidade
que inscreva os beatos Francisco e Jacinta
no álbum dos Santos,
para que possam ser invocados como tal
por todos os fiéis cristãos.”

De seguida, D. António Marto apresenta uma breve biografia dos pastorinhos, em que serão sublinhadas as suas virtudes após terem relatado as aparições em Fátima. Depois, é entoada a Ladainha dos Santos, um extenso cântico em que são invocados os nomes dos principais santos da Igreja.

O texto que foi lido em 2000, na celebração da beatificação, pelo Papa João Paulo II

No fim da ladainha, é proferida a fórmula de canonização pelo Papa:

Em honra da Santíssima Trindade,
pela exaltação da fé Católica
e pelo incremento da vida cristã,
pela autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo,
dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e pela nossa,
depois de longa deliberação, oração frequente
e depois de ouvido o parecer de muitos dos nossos irmãos bispos,
nós declaramos e definimos
os beatos Francisco e Jacinta
como santos, os inscrevemos no álbum dos Santos
decretando que serão venerados como tal por toda a Igreja.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Neste momento, todos os presentes respondem “Ámen”. Logo de seguida, as relíquias serão apresentadas no altar e incensadas por um dos diáconos, sendo veneradas durante alguns instantes. Durante este momento, o coro entoa um cântico de agradecimento pela canonização. O momento termina com uma nova declaração do bispo de Leiria-Fátima, que agradece ao Papa o facto de ter canonizado as duas crianças, e a missa continua depois disto, com as orações iniciais e as leituras.

Artigo corrigido às 13h49: não será o cardeal Angelo Amato a fazer o pedido e o agradecimento; o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, substituiu-o nessa função.