Estados Unidos da América

Condutor de Times Square acusado de homicídio: estava “a ouvir vozes”

O condutor do carro que matou uma pessoa e feriu mais de duas dezenas esta quinta-feira, em Times Square, vai ser acusado de homicídio. O homem, de 26 anos, era um veterano da marinha americana.

Richard Rojas é um veterano da Marinha americana e já tinha sido detido antes por conduzir embriagado

Richard Rojas, condutor do carro que matou uma pessoa e feriu mais de duas dezenas esta quinta-feira, em Times Square, está a ser acusado de homicídio. O homem de 26 anos era um veterano da marinha americana e conduziu durante três quarteirões até ser parado pelas barreiras de segurança. Estava “a ouvir vozes”, confessou mais tarde à polícia.

O incidente, que provocou um morto e 22 feridos, quatro deles em estado grave, deu-se junto ao cruzamento da 45th Street com a 7th Avenue, em Times Square, uma zona movimentada de Nova Iorque. Richard Rojas, veterano da marinha dos EUA, de acordo com a polícia, já tinha sido detido quatro vezes por conduzir embriagado e ameaçar uma pessoa com uma faca.

Por este acidente em Times Square, Rojas foi acusado de homicídio em segundo grau e tentativa de homicídio, avançou um porta-voz da polícia de Nova Iorque na quinta feira, via email. A vítima mortal é Alyssa Elsman, uma rapariga de 18 anos do Michigan, que estava de visita à cidade.

“Era suposto terem-me alvejado. Eu queria matá-los”, disse o acusado depois do incidente, de acordo com a Reuters. Fontes contaram também à Associated Press que Rojas tinha vontade de morrer. Richard Rojas voltou do seu serviço na marinha com problemas de bebida e, segundo o amigo Harrison Ramos, publicava “coisas malucas” nas redes sociais.

Não façam dele um terrorista. Ele serviu o seu país e quando voltou não teve ajuda de ninguém. Viveu tempos muito difíceis”, conta Ramos à Reuters.

O incidente aconteceu ao final da manhã desta quinta-feira (por volta das 17h, em Lisboa) e as autoridades descartaram rapidamente a hipótese de ataque terrorista. Está previsto que o acusado seja ouvido em tribunal esta sexta-feira, no qual deverá ser formalmente acusado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)