Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foram precisos cinco anos de espera até chegarem as primeiras imagens de Júpiter. As captações da sonda Juno mostram um planeta complexo, com grandes ciclones, tempestades, radiações e um intenso campo magnético que vêm mudar a imagem que se tinha do planeta.

Juno, a sonda da NASA na órbita de Júpiter, prova que o gigante gasoso tem um sistema meteorológico do mais complexo. Do material recolhido, chegam relatórios de nuvens altas – tão altas que algumas se viam de noite – e de ciclones turbulentos, que chegam a 1.400km, dez vezes maior do que o tamanho dos ciclones da Terra.

A sonda analisou também o campo magnético do maior planeta do Sistema Solar. A Juno percebeu que esta força de atração é duas vezes mais forte do que na Terra e é “mais forte num lugar e mais fraco noutros”. Este sistema metereológico inconstante deve-se, sobretudo, a fluxos de amónio que, ao chocar, provocam perturbações climáticas.

Mas há mais: as auroras de Júpiter também foram estudadas. Os grandes espetáculos de luz nos pólos de Júpiter devem-se, sobretudo, aos eletrões que se deslocam até à atmosfera superior do planeta, onde, ao chocar, potenciam esses mesmos fenómenos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O clima é dramático. O que pensávamos saber sobre Júpiter foi subestimado. Há mais variantes, mais pormenores e recursos cada vez que se olha mais perto”, diz Fran Benegal, físico espacial que se juntou a esta missão espacial há mais de dez anos.

O físico confessa ainda que estavam “todos entusiasmados quando as imagens chegaram. Há que ser paciente, mas os resultados são fantásticos”.

A sonda espacial foi lançada a 5 de agosto de 2011. Foram precisos cinco anos até Juno entrar na órbita de Júpiter – a 4 de julho de 2016. A partir dessa data, ficou em órbita nos pólos, sob fortes e intensas radiações do planeta. A cada 53 dias a nave passa perto de Júpiter e acelera sobre as suas nuvens. Em apenas duas horas, a aeronave viaja de um ponto norte de Júpiter, vai até um polo no sul e regressa à posição inicial. Os dados recolhidos podem demorar quase dois dias até serem revelados.

A sonda percorre um trajeto desde um polo até outro, do planeta Júpiter. (NASA/SWRI/MSSS/Gerald Eichstädt/Seán Doran)

Júpiter é um gigante gasoso feito por hidrogénio e hélio e é 11 vezes maior do que a Terra. Todos os outros planetas, mas também asteróides e cometas, caberiam dentro do planeta.

A missão da Juno procura construir o mapa do interior do planeta. O próximo desafio passa, aliás, por tentar descobrir como é o núcleo interno do planeta. A próxima aproximação espacial da sonda acontecerá a 11 de julho.

Veja a fotogaleria com o que já podemos ver sobre o planeta gasoso.

19 fotos