A GCTP-IN defendeu esta quinta-feira que a redução de 10% no montante dos subsídios de desemprego após 180 dias de concessão deve ser revogada relativamente “a todos os subsídios independentemente do seu valor”.

Em comunicado, a CGTP-IN considerou o fim do corte nos subsídios de desemprego inferiores a 421,32 euros “manifestamente insuficiente para repor o nível de proteção social adequado e defende que a redução de 10% no montante dos subsídios de desemprego após 180 dias de concessão deve ser pura e simplesmente revogada relativamente a todos os subsídios independentemente do seu valor”.

A partir desta quinta-feira, cerca de 130 mil desempregados vão deixar de receber subsídio inferior a 421,32 euros, passando os que recebem menos do que este valor devido ao corte a receber o montante equivalente ao Indexante dos Apoios Sociais (IAS). A introdução deste ‘travão’ à redução de 10% para os beneficiários de subsídio de desemprego há mais de 180 dias impede assim que o subsídio de desemprego pago fique abaixo do IAS, atualmente em 421,32 euros.

Para a CGTP, “é evidente que a redução de 10% no valor dos subsídios de desemprego, a incidir sobre prestações de valor já de si bastante baixo, contribuiu decisivamente para o aumento da pobreza laboral e, logo, para o empobrecimento generalizado da população´”, alerta em comunicado divulgado esta quinta-feira, intitulado “Mitigado o corte de 10% no subsídio de desemprego ao fim de seis meses”.