O bastonário da Ordem dos Psicólogos defendeu esta terça-feira que a recuperação emocional das vítimas de catástrofes, como o incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, exige uma intervenção “num tempo muito curto” após a tragédia.

“São experiências muito marcantes”, que podem “deixar problemas para o futuro” e contribuir para a existência de perturbações de caráter psicopatológico, como depressão, uso de substâncias ou stress pós-traumático, advertiu Francisco Miranda Rodrigues, em declarações à agência Lusa,

Para prevenir estas situações, é essencial uma intervenção “num tempo muito curto após a tragédia” para que haja “uma recuperação no futuro o mais adaptado possível”, mas também é fundamental um acompanhamento a longo prazo.

É preciso antes de mais fazer uma estabilização inicial, nomeadamente a nível emocional”, para reduzir os sintomas que as pessoas estão a sentir naquele momento, explicou o bastonário.

Também é “muito importante” apoiar, acalmar e dar a estas pessoas “uma sensação de maior segurança” e fazer “uma conexão à rede de suporte social”.

Por vezes, também é preciso “treinar estas pessoas sobre como podem procurar ajuda e suporte”.

“Muitas destas pessoas, nomeadamente os idosos, estão muito mais habituados a cuidar dos outros e estas situações acabam por apelar para algo que não estão muito habituados, que é pedir ajuda”, explicou Francisco Miranda Rodrigues.

O trabalho junto da comunidade também é essencial: “Quanto mais acreditarem que são capazes de lidar com as tarefas que agora têm pela frente, maior será a possibilidade de se readaptarem e se reabilitarem para uma nova fase e voltarem o melhor possível às suas vidas, que será necessariamente diferente”.

Há estudos que indicam que por cada vítima física em situações de catástrofe existem quatro a dez com necessidade de intervenção psicológica, indicou.

Contactado pela Lusa, o antropólogo Francisco Oneto Nunes afirmou que é surpreendente “a capacidade de recuperação e a vontade” das pessoas, havendo “renascimentos absolutamente notáveis”. Contudo, há casos em que “infelizmente isso não acontecerá”.

Para o investigador, o “fator decisivo” para as pessoas conseguirem “recuperar as suas vidas” e “processar e assimilar estes eventos” é o “tipo de apoio” que “poderão ou não beneficiar”, um domínio que “é sempre mais problemático”.

Nós vimos nesta situação a quantidade de pessoas que enviou genuína e graciosamente alimentos, bebidas, mas é preciso muito mais”, defendeu o investigador do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e do Departamento de Antropologia do ISCTE.

Além do apoio das entidades oficiais deve haver “estruturas capazes de apoiar as pessoas nestas situações” e que consigam “produzir ideias conducentes a uma política de gestão de território, a uma política de administração silvícola e florestal radicalmente diferente” da que existe atualmente.

É preciso sair da lógica do culto desmesurado do dinheiro, do progresso, do crescimento como salvação para tudo, que depois no domínio da floresta tem esta consequência trágica que é quase como termos barris de pólvora prontos a explodir”, salientou Oneto Nunes.

Para o investigador, “é urgente” mudar este paradigma para “prevenir estas desgraças”. Mas, ao acontecerem, “as entidades públicas têm de assegurar que [as vítimas] vão ter todos os apoios que vão necessitar”, tanto formais, legais, jurídicos, mas também o apoio humano, a mão amiga, o apoio psicológico.

“Muitas destas pessoas não têm rigorosamente nada em termos materiais para se poderem levantar e poderem renascer. Muitas delas perderam tudo”, elucidou.