Rádio Observador

Emmanuel Macron

Presidente francês anuncia nova cimeira sobre o clima e espera “convencer” Trump

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou a realização a 12 de dezembro de uma cimeira sobre o clima. Acordo de Paris é "irreversível", dizem todos os líderes do G20 exceto Trump.

IAN LANGSDON/EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou a realização a 12 de dezembro de uma cimeira sobre o clima e espera “convencer” o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, a mudar de opinião.

O Chefe de Estado francês fez estas declarações hoje em Hamburgo, no norte da Alemanha, onde decorreu a Cimeira das 20 maiores economias mundiais (G20), afirmando que a 12 de dezembro realiza-se uma nova cimeira sobre a luta contra o aquecimento global, dois anos após o Acordo de Paris sobre a matéria, alcançado no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015, realizada na capital gaulesa.

“A 12 de dezembro próximo, dois anos após a entrada em vigor do acordo de Paris, reunirei uma nova cimeira para encetar novas ações pelo clima, nomeadamente sobre o plano financeiro”, disse Emmanuel Macron na conferência de imprensa após o encerramento da Cimeira do G20.

O Presidente de França sublinhou que “espera” poder ainda “convencer” o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, de voltar a atrás na sua decisão de abandonar o Acordo de Paris sobre a luta contra o aquecimento global.

Assegurando que não “desesperará jamais de convencer” Donald Trump, o Presidente francês encerrou a conferência afirmando: “Confirmo-vos, pois, que espero convencê-lo”.

19 contra Trump

Todos os líderes do G20 à exceção do presidente dos EUA, Donald Trump, concordam que o Acordo de Paris é irreversível. Foi a chanceler alemã, Angela Merkel, quem confirmou, na tarde deste sábado, que o documento final da cimeira do G20, que decorreu nos últimos dias em Hamburgo, Alemanha, é bem claro relativamente ao assunto: na política ambiental, ninguém está do lado de Trump.

Esta posição do grupo que reúne as dezanove maiores economias do mundo e a União Europeia surge um mês depois de o presidente dos EUA ter anunciado formalmente que o país iria abandonar o Acordo de Paris. Na altura, Trump anunciou que o país iria “renegociar e ver se é possível alcançar um acordo que seja justo” para os Estados Unidos, mas vários líderes mundiais foram rápidos a responder: ninguém está disponível para renegociar o acordo.

O comunicado final foca-se, em parte, na desvinculação dos EUA destes acordos visando a luta contra as alterações climáticas, que são qualificadas como “irreversíveis”. Segundo noticia a AFP, foi uma forma de isolar os EUA neste assunto: “Regozijo-me muito que todos os outros chefes de Estado e governo” mantenham os acordos de Paris, declarou à imprensa a chanceler alemã Angela Merkel, anfitriã da cimeira.

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos, liderados por Donald Trump, fizeram uma concessão. A declaração final diz que os Estados Unidos vão “esforçar-se para trabalhar estreitamente com outros parceiros para facilitar o seu acesso e a utilização mais apropriada e eficaz das energias fósseis e os ajudar a desenvolver energias renováveis e outras fontes de energia limpa”. Esta passagem cria uma situação inédita no G20, que valida assim o facto de um dos seus membros poder desenvolver uma política individual, contra a corrente dos outros membros.

A par das alterações climáticas, a política comercial foi o grande assunto em cima da mesa. Aliás, a imprensa internacional dá conta de que os responsáveis políticos presentes em Hamburgo passaram a noite acordados a tentar chegar a um acordo para o texto do documento final da cimeira que conseguisse conciliar as posições contraditórias dos EUA e dos restantes elementos do grupo no que toca às alterações climáticas e à política comercial.

EUA e Rússia chegam a acordo sobre cessar-fogo na Síria

Já Donald Trump falou sobre um dos momentos altos da cimeira: o encontro bilateral com Vladimir Putin. “Foi formidável”, disse Trump, antes de uma reunião com a primeira-ministra britânica Theresa May.

Washington e Moscovo divulgaram versões contraditórias sobre a reunião dos dois líderes, com os norte-americanos a afiançarem que Trump afrontou a questão sensível da alegada interferência russa nas eleições para a Casa Branca. Os russos garantiram que o presidente norte-americano “aceitou” as declarações de Putin, que negou quaisquer intromissões. Consensual entre as duas partes foi o acordo para um cessar-fogo, a partir de domingo, no sudoeste da Síria.

Trump e May encontram-se à margem da cimeira

Donald Trump e a primeira-ministra britânica, Theresa May, também se reuniram este sábado, à margem da cimeira, tendo o presidente norte-americano feito saber que a assinatura de um acordo comercial “pós-Brexit” entre os dois países estará para breve. Durante a reunião, que devia ter durado 50 minutos mas se prolongou outros 20, May não abordou a questão fulcral da cimeira — o abandono dos Estados Unidos do Acordo de Paris –, de acordo com fontes do governo britânico, apenas porque já o tinha feito anteriormente, cara a cara, durante o encontro. Durante a tarde deste sábado, aos jornalistas, a primeira-ministra revelou ter “instigado o presidente Trump a voltar a juntar-se ao Acordo”: “Continuo a esperar que os Estados Unidos o façam”.

Já Trump, aos repórteres em Hamburgo, não quis tocar no ponto, centrando as declarações sobre a conversa com May no acordo comercial e anunciando, ainda sem data, uma futura visita a Londres: “Não existem países mais próximos do que os nossos. Estamos a trabalhar num acordo comercial que será um acordo muito, muito grande, um acordo muito poderoso, que será ótimo para os dois países e acho que o vamos fazer muito, muito rapidamente”.

Theresa May revelou ainda que Trump não foi o único líder mundial a demonstrar uma “forte vontade” de estabelecer “novas e ambiciosas relações comerciais bilaterais” com o Reino Unido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)