PSD

Passos acusa Governo de “mandar passar cheques” que portugueses terão de pagar

260

O presidente do PSD acusou o Governo de "mandar passar cheques" que os portugueses terão de pagar e defendeu que o parlamento terá de se pronunciar sobre os empréstimos ao Fundo de Resolução.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD acusou esta quarta-feira o Governo de “mandar passar cheques” que os portugueses terão de pagar e defendeu que o parlamento terá de se pronunciar sobre a renegociação dos empréstimos ao Fundo de Resolução.

Na apresentação da candidatura de Teresa Leal Coelho à Câmara Municipal de Lisboa, Pedro Passos Coelho deixou esta nota de política nacional e salientou que, quando foi anunciada essa renegociação dos empréstimos, o PSD “chamou a atenção” para as consequências negativas que teria para os contribuintes.

Na terça-feira, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) concluiu que a revisão das condições do empréstimo do Tesouro ao Fundo de Resolução bancário piorou as condições para o Estado, traduzindo-se num valor atualizado líquido negativo de cerca de 630 milhões de euros, valor que o líder do PSD considerou ser “conservador”, dizendo que poderá ser o dobro.

Ainda não se ouviu uma palavra de explicação sobre isto, é tão fácil estar no Governo, passar o cheque quando sabemos que não somos nós a pagar, são os outros. São os contribuintes, é um bocadinho a cada”, ironizou Passos.

Por este motivo, explicou, o PSD apresentou hoje no parlamento um projeto que recomenda ao Governo que renegoceie as condições destes empréstimos do Estado ao Fundo de Resolução, com o objetivo de “obrigar o parlamento a pronunciar-se sobre esta matéria”.

“Sempre que alguma matéria incomoda é silenciada pelo governo e pela maioria, não querem que as coisas sejam faladas, assobiam para o lado”, criticou, acrescentando que, quando for necessário pagar o cheque, “com sorte já ninguém se lembra quem o mandou passar”.

A este propósito, Passos lamentou que haja quem entenda tal atitude como “prova de genialidade política” e fez uma referência implícita ao Governo socialista de José Sócrates.

“Tivemos vários génios políticos ao longo do tempo que mandaram passar o cheque até não haver dinheiro para pagar nada. Alguns estão hoje no Governo, na hora difícil ninguém os viu”, criticou.

Passos Coelho defendeu outra maneira de estar na política, em que se explique quais são as opções do que se faz e do que se deixe de fazer.

“Não há negócios da China, ou não devia haver na política, na economia, no país, as coisas resultam sempre ou devem resultar de escolhas conscientes, não conseguimos ter tudo o que queremos, temos de escolher o que é prioritário”, defendeu.

No projeto de resolução hoje entregue no parlamento, os sociais-democratas pedem ao Governo que renegoceie os empréstimos relativos ao Novo Banco e ao Banif acordados em 10 de fevereiro “em termos e condições que – na conjugação do prazo do empréstimo, escalonamento dos reembolsos de capital e taxa de juro – assegurem que o valor atualizado dos pagamentos de capital e juros dos empréstimos que o Estado recebe seja pelo menos igual ao valor emprestado pelo Estado”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A direita está em crise?

Fernando Leal da Costa

A crise da direita é conjuntural e resolver-se-á com a lógica darwiniana de adaptar-se para sobreviver. O primeiro problema a resolver é pois adaptar-se às circunstâncias sem que isso a descaracterize

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)