Rádio Observador

Médicos sem Fronteiras

Diminuição de mortes por sida é uma boa notícia mas flagelo persiste

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) congratularam-se com o relatório do Programa da ONU sobre sida, mas advertiu que o flagelo persiste.

A resposta global ao VIH deve ampliar o tratamento antirretroviral para mais pessoas rapidamente

MARIO CRUZ/LUSA

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) congratularam-se, esta quinta-feira, com o relatório do Programa da ONU sobre sida, através de Sharonann Lynch, assessora para VIH e tuberculose da Campanha de Acesso a Medicamentos da organização, mas advertiu que o flagelo persiste.

É uma boa notícia que tantas pessoas estejam recebendo agora tratamento para o VIH [vírus da imunodeficiência humana], mas um milhão de mortes em um ano ainda é demais. Ainda existe uma crise de sida e é muito preocupante que a ajuda internacional para VIH/sida esteja recuando a partir da conclusão equivocada de que a batalha foi vencida”, declarou a responsável, em mensagem enviada à Lusa.

Segundo Sharonann Lynch, muitas dessas mortes são evitáveis e as pessoas com VIH ainda desenvolvem sida e por isso desenvolvem tuberculose e infeções oportunistas como meningite criptocócica.

Os dados da ONUSIDA mostram que uma em cada três pessoas com VIH só começa o tratamento antirretroviral depois de desenvolver sida. Isso torna mais provável que o resultado do tratamento seja pior. Além disso, pessoas com VIH frequentemente não recebem o tratamento de que precisam para essas infeções oportunistas”, observou.

Em seu entender, a resposta global ao VIH deve ampliar o tratamento antirretroviral para mais pessoas rapidamente, admitindo contudo que, com mais pessoas em tratamento, é crítico que recursos suficientes estejam disponíveis para prevenir e responder a doenças relacionadas à doença, cuja assistência continua a ser difícil e oneroso com os meios disponíveis atualmente.

Segundo dados das Nações Unidas divulgados esta quinta-feira, um milhão de pessoas morreu de problemas ligados ao VIH/sida no ano passado, o que significa quase metade das mortes em relação ao que acontecia em 2005.

O documento da ONUSIDA considera que foi atingido um “ponto de viragem”, com mais de metade dos doentes no mundo em tratamento e com uma contínua diminuição das novas infeções por VIH/sida.

O número de mortes ligados ao VIH/sida caiu de 1,9 milhões em 2005 para um milhão em 2016“, frisa a coordenação do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/sida, numa nota sobre o relatório mais recente acerca da infeção.

O relatório é divulgado antes da abertura, no domingo, em Paris, de uma conferência internacional sobre a doença.

A diminuição do número de mortes é atribuída fundamentalmente a uma melhor difusão dos tratamentos com antirretrovirais.

Aliás, o número de seropositivos com acesso a tratamento antirretroviral em todo o mundo superou, em 2016, os 50%, o que ocorre pela primeira vez desde o início da epidemia.

Segundo os dados relativos ao ano passado, 19,5 milhões dos 36,7 milhões de pessoas com VIH/sida estavam em tratamento. Para 2020, a meta definida para as Nações Unidas é ter 30 milhões de pessoas a receber o tratamento adequado para a infeção.

Atingimos a meta de 2015 de ter 15 milhões de pessoas em tratamento e estamos no caminho para duplicar esse número e atingir a meta de 2020″, refere o diretor executivo da ONUSIDA, Michel Sidibé.

As regiões de África oriental e do sul foram as que exibiram maior progresso a este nível, sendo igualmente as mais afetadas pela epidemia de VIH/sida. Nestas zonas do mundo, as mortes ligadas à sida decaíram 42% e as novas infeções reduziram quase 30%.

Para 2020, o Programa das Nações Unidas para o VIH tem como meta conseguir que 90% das pessoas que vivem com a infeção estejam diagnosticadas.

Em 2016 atingiu-se 70% nesse objetivo, com mais de dois terços dos infetados a serem conhecedores do seu estatuto.

Os outros dois elementos da tríade de 90/90/90 definidos pela ONU são atingir 90% dos diagnosticados em tratamento e 90% dos que estão em tratamento atingirem carga viral indetetável (o que torna muito baixa a possibilidade de transmitir a infeção).

Os dados divulgados no novo relatório mostram que 77% das pessoas que têm diagnóstico estão a aceder a tratamento e que 82% das pessoas em tratamento têm carga viral indetetável.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)