O software de cibersegurança McAfee divulgou o seu relatório anual sobre as celebridades cuja pesquisa na internet envolve mais perigos para os utilizadores. No topo da lista está a cantora canadiana Avril Lavigne.

O relatório, que “revela quais as celebridades que geram os resultados mais arriscados que podem potencialmente expor os seus fãs a sites prejudiciais”, já vai na 11ª edição, com as listas anteriores a indicar os perigos de pesquisar pelos nomes de Amy Schumer e Emma Watson. A classificação deste ano coloca Bruno Mars no segundo lugar, seguido por Carly Rae Jepsen, Zayn Malik e Céline Dion.

Os cibercriminosos continuam a usar o fascínio dos consumidores com a cultura das celebridades para os levar para sites maliciosos que podem ser utilizados para instalar software nocivo, roubar informação pessoal e até passwords”, pode ler-se no comunicado da McAfee, cujo relatório também inclui dados sobre a possibilidade da pesquisa por uma destas celebridades ir parar diretamente a um site suspeito.

Avril Lavigne encabeça a lista com um risco de 14,5% – que aumenta para 22% quando pesquisada por “avril lavigne free mp3”. “No mundo digital de hoje, nós queremos os álbuns mais recentes, os vídeos mais recentes, os filmes mais recentes e muito mais, imediatamente disponível nos nossos aparelhos”, explica Gary Davis, o chefe do departamento de consumo seguro da McAfee.

“Os consumidores frequentemente priorizam a sua conveniência acima da segurança ao terem comportamentos arriscados como clicar em links suspeitos que prometem as últimas informações sobre celebridades. É imperativo que desacelerem e considerem os riscos associados às pesquisas por conteúdo disponível para download. Pensar antes de clicar é muito importante para permanecer seguro online”, alerta Gary Davis.

Avril Lavigne tem estado ausente do mundo da música nos últimos quatro anos, muito devido a ter sido diagnosticada com doença de Lyme em 2014. A canadiana anunciou recentemente no Instagram que vai voltar ao estúdio em breve, o que pode ter contribuído para um aumento de sites prejudiciais associados com pesquisas pelo seu nome. A McAfee também apontou uma teoria da conspiração – que acredita que Lavigne morreu há anos e foi substituída por uma sósia – como um dos motivos.