Eleições na Alemanha

Die Partei: o partido satírico alemão que quer legalizar a condução alcoolizada

171

O Die Partei foi fundado em 2004 e tem animado a campanha alemã para as eleições legislativas. O partido propõe legalizar o consumo de cocaína sob prescrição médica e raptar o presidente turco.

Serdar Somuncu, um comediante, é o atual líder do partido

ODD ANDERSEN/GETTY IMAGES

Este domingo, 24 de setembro, é dia de eleições legislativas na Alemanha. Espera-se que Angela Merkel volte a ser eleita chanceler e que a extrema-direita chegue ao Bundestag. Mas a campanha tem sido bem mais animada do que o normal: muito devido ao programa eleitoral do partido satírico Die Partei.

O Die Partei – O Partido – foi fundado em 2004 pelos editores da revista satírica Titanic e tem sido um autêntico sucesso nas redes sociais e na internet. É liderado por Serdar Somuncu, um comediante, e o boom de seguidores e likes não tem precedentes e tem deixado muito aquém o partido de extrema-direita, o Alternativa para a Alemanha. O programa político do Die Partei inclui medidas como legalizar a condução sob efeito de álcool, introduzir o consumo legal de cocaína sob prescrição médica e raptar o presidente turco Erdogan.

Os dados do Facebook mostram que o partido de extrema-direita tem uma vasta vantagem sobre os adversários no que toca às redes sociais. Em agosto, por exemplo, chegou às 4 mil interações – três vezes mais do que o partido socialista A Esquerda e seis vezes mais do que a CDU, de Angela Merkel. Mas se analisarmos os dados do ano todo, percebemos que o Die Partei cresceu mais rápido online do que qualquer outro partido, amealhando 31.608 novos seguidores, em contraste com os 29.302 do Alternativa para a Alemanha.

Uma das manobras de diversão mais bem sucedidas do partido foi o ataque informático que o próprio “ministro da propaganda”, Shahak Shapira, fez a 31 grupos de Facebook do Alternativa para a Alemanha numa tentativa de “reparar a internet”, nas palavras do próprio. Outro episódio diz respeito ao upload do anúncio publicitário da campanha no site pornográfico YouPorn.

No seu manifesto, o Die Partei propõe introduzir um sistema em que, nos referendos nacionais, os eleitores só podem votar se responderem a perguntas simples como “qual é a capital de França?”; algo a que chamam “epistocracia moderna”.

“Olhando para os dados, é incrível ver como o Alternativa para a Alemanha e o Die Partei lideram”, diz Tilo Kmieckowiak, do Quintly, um software que faz análises de dados às redes sociais. “Parece que posições políticas escandalosas e humor provocativo geram os níveis mais altos de atenção. Estes números também sugerem que há muito espaço para os outros partidos subirem a parada”, alerta Kmieckowiak.

O partido satírico atrai ódios e amores e tem sido motivo de fação entre jornalistas, críticos e comentadores. Uns dizem que os partidos tradicionais deviam aprender com estas técnicas inventivas; outros defendem que o Die Partei é “elitista, burguês e imoral”. O jornalista Stefan Niggemeier chega a acusar o partido de atrair votos “inúteis” – que podiam muito bem evitar a entrada do Alternativa para a Alemanha no parlamento alemão.

Quer se adore ou se odeie, a verdade é que é pouco provável que o Die Partei consiga os 5% necessários para entrar no Bundestag.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)