Igreja Católica

Padre do Funchal. “Igreja não pode admitir uma vida dupla”

402

O padre Giselo Andrade, que assumiu a paternidade de uma criança, quer manter-se na paróquia de Nossa Senhora do Monte, no Funchal. Igreja diz que não pode admitir uma "vida dupla".

O padre Giselo Andrade, que assumiu a paternidade de uma criança nascida em agosto, deve pedir a dispensa das obrigações sacerdotais ao Vaticano por ter quebrado o seu voto de celibato. “É uma pena canónica”, considerou ao Observador Fernando Felix, um dos responsáveis pelo Movimento Fraternitas, uma associação que reúne padres dispensados do exercício de funções.

“Pela própria lei da Igreja, tendo um padre tido uma relação com uma mulher, é sujeito a uma pena canónica. É como um advogado que comete uma irregularidade e é afastado da Ordem. É uma espécie de excomunhão, prevista no Direito Canónico”, explica Fernando Félix. Pelo que o padre da paróquia de Nossa Senhora do Monte, no Funchal, deve pedir para ser afastado de funções, o que não invalida que mantenha uma ligação com aquela paróquia e com a Igreja, mas de outras formas.

Fernando Félix, 48 anos, que pediu a dispensa há já 18, não conhece Giselo Andrade, mas conhece muitos outros casos como o dele. “Nalguns casos, há dioceses que fecham os olhos a histórias destas e os padres permanecem nas paróquias. Não sei se aqui, dada a publicidade do caso, será possível”, admite o agora jornalista em duas publicações da Igreja. “Recordo-me que nos anos 90 havia um padre de uma paróquia de Coimbra que tinha filhos, vivia com a mulher a comunidade aceitava. Por isso nunca foi afastado”, disse.

No Funchal, o padre Giselo Andrade também será bem visto pela comunidade. Mas, aos olhos da diocese, isso não é suficiente. Num comunicado enviado esta segunda-feira, e após ter sido tornado pública a história de que o padre tinha assumido ser pai, a Diocese do Funchal admite ter recebido a notícia com “tristeza”.

A Diocese está a acompanhar a situação, no respeito pela delicadeza do caso, da dignidade das pessoas e das consequências que as mesmas têm na própria paróquia e nas restantes comunidades cristãs”, lê-se no comunicado.

Segundo a Igreja, ser pai é um “contratestemunho daquela que deve ser a vida de qualquer sacerdote”. “A Igreja é um espaço de misericórdia e Deus perdoa tudo, mas não pode admitir uma vida dupla”, acrescenta. Mais, refere o comunicado que o padre pretende continuar a “exercer o ministério sacerdotal” e que até sente “ter o apoio da comunidade”, mas “deverá assumir as suas responsabilidades inerentes à situação”.

Neste momento, não se pondera a abertura de qualquer processo, mas simplesmente o acompanhamento pastoral e o discernimento”, lê-se.

O comunicado da diocese do Funchal nunca refere taxativamente que o padre Giselo Andrade vai ter de sair da paróquia e abandonar as funções de sacerdote, mas claramente diz que está aberto o caminho para que o padre saia. De resto, falar com alguém da Igreja é muito difícil, senão quase impossível. Do Funchal apenas chega o comunicado, da restante hierarquia nem isso se consegue.

Contactado pelo Observador, o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, Manuel Barbosa, disse: “Na próxima reunião temos Assembleia Plenária da Conferência Episcopal. Se o assunto for abordado na reunião, aí emitimos uma declaração. Para já, não vai haver intervenção da Conferência Episcopal, o assunto está a ser tratado com toda a delicadeza pelo Bispo do Funchal, uma vez que é um assunto sobretudo da diocese”. Já da Nunciatura Apostólica não houve qualquer comentário. “Não costumamos prestar declarações aos jornalistas”, responderam.

O caso do padre da Freguesia do Monte, onde no dia 15 de agosto uma tragédia matou 13 pessoas durante as cerimónias religiosas da padroeira foi conhecido na quinta-feira passada, quando o Diário de Notícias da Madeira noticiou que Giselo Andrade tinha sido pai de uma menina no dia 18 de agosto, três dias depois do acidente. Nesses dias, os jornalistas que estavam a cobrir a tragédia tentaram por várias vezes falar com Giselo Andrade mas tal nunca se revelou possível. A primeira missa que aconteceu após o acidente, no dia 17, foi presidida por outro padre.

A filha do padre Giselo Andrade, de 37 anos, é fruto de uma relação com uma mulher de 35, natural do município de Câmara de Lobos. O Diário de Notícias da Madeira adianta que os dois se conheceram quando o padre Giselo era estudante do ensino secundário e que foram colegas de universidade em Lisboa. É referido pelo mesmo jornal que a situação tem causado indignação na paróquia por a mãe ter outros dois filhos, gémeos, de cinco anos.

Há padres que saem sem qualquer apoio

À Associação Fraternitas vão chegando padres que deixaram a Igreja, a maior parte porque se apaixonaram. “Alguns não têm qualquer apoio da paróquia e só nos procuram quase dez anos depois de saírem, porque demoraram todo este tempo a reencontrarem-se”, refere Fernando Félix. O responsável lembra que há uma responsabilidade “humanitária” por parte da Igreja em apoiar os padres que decidem abandonar o sacerdócio, seja a nível financeiro, seja a outros níveis. “Há padres que se sentem completamente postos de parte, quando podiam ser aproveitados para exercer outras funções na paróquia, como ministros da comunhão ou catequistas”, exemplifica.

O padre Giselo Andrade terá sido pai em agosto. Foi o Jornal da Madeira que noticiou o caso em primeira mão, dando conta que, depois de publicadas as listas de colocações dos padres da diocese, não havia qualquer referência a Giselo Andrade nem à paróquia de Nossa Senhora do Monte. O Observador tentou contactar o padre, ainda responsável pela paróquia do Monte, mas até ao momento ele permanece com o telemóvel desligado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)