Rádio Observador

Meteorologia

Ana, Bruno, Carmen, David, Emma… Como se vão chamar as próximas tempestades em Portugal

3.842

Portugal, Espanha e França juntaram-se para criar um sistema de nomeação de tempestades que afetem o Sul da Europa. A lista de nomes já está definida, de Ana a Wiam, passando por Gisele e Katia.

NUNO VEIGA/LUSA

A tempestade Ana é a primeira a ser batizada com um nome humano em Portugal (à semelhança do que se faz noutras regiões do mundo, como com as tempestades tropicais nos EUA) e já está a fazer estragos. Mas os nomes das próximas tempestades em Portugal já estão definidos, seguindo uma ordem alfabética: Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Felix, Gisele, Hugo, Irene, Jose, Katia, Leo, Marina, Nuno, Olivia, Pierre, Rosa, Samuel, Telma, Vasco e Wiam.

A iniciativa de dar nome às tempestades que afetam o Sul da Europa resulta da colaboração das agências de meteorologia de Portugal (IPMA), Espanha (AEMET) e França (MétéoFrance), num projeto que visa “assegurar e facilitar a cooperação” entre os serviços de meteorologia dos vários países, melhorando a comunicação entre autoridades em caso de fenómenos meteorológicos que afetem toda a região sul do continente europeu.

Além disso, a iniciativa pretende também aumentar a eficácia da comunicação pública das medidas de emergência necessárias. “Uma experiência semelhante desenvolvida desde 2015 no Reino Unido e na Irlanda demonstrou que a população permanece mais atenta às recomendações de segurança quando a ameaça de vento forte está claramente identificada”, lê-se numa nota da Agência Estatal de Meteorologia de Espanha.

Nem todas as tempestades serão batizadas. Apenas “aquelas que se agravem de tal maneira que possam produzir um grande impacto em bens e pessoas”, esclarece o organismo espanhol. O processo de atribuir o nome à tempestade será, na verdade, muito simples. Entre os três países, o primeiro a emitir um “aviso de nível laranja ou vermelho dará o nome à tempestade”, seguindo a “lista pré-estabelecida e informando os outros dois”, é explicado no comunicado.

Contudo, poderá haver exceções a esta lista de nomes. Se a tempestade já tiver sido nomeada pelo Centro Nacional de Furacões (NHC) de Miami, por já ter afetado antes a América Central e se dirigir depois para a zona da Europa, deverá ser utilizado o mesmo nome, acrescentando-se o prefixo “ex-“.

A nomeação das tempestades será também feita em coordenação com outros serviços, nomeadamente com o Reino Unido e a Irlanda. “Quando se preveja que uma tempestade profunda afete primeiro a Irlanda ou o Reino Unido, o nome será escolhido de forma coordenada pelo Met Eireann e pelo Met Office, e será respeitado pelo grupo formado pela Météo-France, IPMA e AEMET. No caso oposto, também se respeitará de maneira recíproca. Está a planear-se a extensão desta coordenação a todos os países europeus”, conclui o comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Mar

O mar /premium

João Cameira

Seria porventura ajuizado trabalharmos colectivamente para sermos os melhores do mundo numa área onde, comprovadamente, já demos provas cabais da nossa excelência – o mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)