Rádio Observador

Mercado de Trabalho

Vieira da Silva responde à esquerda. “É um erro profundo ignorar” o que já mudou na lei laboral

Ministro Vieira da Silva volta a responder à pressão do Bloco e do PCP para reverter mudanças à lei laboral introduzidas pelo PSD/CDS. Diz que é um "erro profundo ignorar o que já mudou" nesta área.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O ministro da Segurança Social garante que “muita coisa já mudou, julgo que é um erro, até um erro profundo, ignorar o que já mudou, e mudou a política de salário mínimo, mudou a política para a contratação coletiva, mudou a política ativa de emprego. Os apoios ao emprego são hoje diferentes, muita coisa já mudou no mercado de trabalho com este Governo e as mudanças vão continuar”. É mais uma resposta de Vieira da Silva à pressão crescente dos partidos à esquerda que pedem alterações na legislação laboral no sentido de reverter o que foi feito pelo anterior Governo.

O ministro falava à agência Lusa em Portalegre, à margem da sessão de encerramento da conferência internacional ‘Qualificação, Emprego e Desenvolvimento Territorial’,  promovida pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Alentejo. Vieira da Silva lamentou ainda a forma como “por vezes se desvaloriza” as alterações já efetuadas em termos de políticas laborais.

“Agora não posso garantir que todas elas correspondam [políticas laborais] à posição de cada um dos partidos, porque é sabido que todos os partidos que apoiam esta solução de Governo não têm sobre todos os aspetos a mesma posição. Agora, julgo que, por vezes, se desvaloriza a dimensão do que já foi mudado“, sublinhou.

Para Vieira da Silva, “o mais importante” passa pelo que tem sucedido nos últimos dois anos, observando que o crescimento de postos de trabalho tem sido uma realidade, sendo esta “a grande mudança” das relações laborais.

“O mais importante é que nós hoje, face há dois anos (…), temos mais de um quarto de milhão de postos de trabalho do que tínhamos e essa é a grande mudança das relações laborais”, sublinhou.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, avisou na quinta-feira que sem se alterar a legislação laboral, para combater a precariedade e ter contratação coletiva, é posta em causa a recuperação de rendimentos que tem conduzido ao crescimento económico e criação de emprego.

Questionado sobre esta matéria, Vieira da Silva escusou-se a comentar as declarações de Catarina Martins, recordando que existe um programa que foi negociado com os partidos que apoiam a solução governativa, e que são esses acordos e programa de Governo que “vão guiar” a ação do executivo. “Nós faremos as mudanças que forem necessárias, não temos que ter todos a mesma opinião”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade

E os direitos da "senhora lá de casa"?

Maria d'Oliveira Martins
310

É frequente negar a dignidade às prestadoras do serviço doméstico. Todos nos recordamos das expressões “a senhora cá de casa” de Judite de Sousa ou “a senhora que vem ajudar” de Francisco Louçã.

Mercado de Trabalho

Os castigos do trabalho em Portugal

Pedro Afonso
1.085

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)