África do sul

Presidente sul-africano considera “injusta” ordem do ANC para se demitir

O ANC indicou esta quarta-feira que, caso Zuma não se demita, está já marcada para a tarde de quinta-feira a apresentação, no parlamento, de uma moção de censura.

STR/EPA

O Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, considerou esta quarta-feira “injusta” a decisão do Congresso Nacional Africano ANC, partido no poder desde 1994, de exigir a sua demissão. Zuma, antigo vice-presidente a África do Sul (1999/2005) e chefe de Estado desde 2009, referiu que o ANC não apresentou “razões claras” para que ele se demita do cargo.

O ANC indicou neste dia que, caso Zuma não se demita, está já marcada para a tarde de quinta-feira a apresentação, no parlamento, de uma moção de censura.

“É muito injusto que o assunto seja permanentemente levantado. O que poderei fazer? Ninguém é capaz de apresentar razões claras” para a demissão, afirmou Zuma, aludindo ao ANC.

“Preciso de ser informado sobre o que fiz. Porquê tanta pressa?”, questionou, sem esclarecer, ao longo da entrevista, se vai ou não demitir-se dentro do prazo dado pelo ANC. As declarações de Zuma foram feitas em direto no canal público de televisão sul-africano SABC, as primeiras desde o ultimato do ANC.

O poder de Zuma tem vindo a diminuir desde que o seu vice-presidente, Cyril Ramaphosa, lhe sucedeu, em dezembro, à frente do ANC, ficando bem posicionado para se tornar chefe de Estado na África do Sul nas eleições do próximo ano, podendo, desta forma, desviar as atenções dos casos de corrupção e centrar tudo na sucessão.

Ramaphosa, aliás, fez do combate à corrupção governamental uma das prioridades durante a pré-campanha e a campanha para a liderança do ANC.

Em causa está sobretudo determinar a extensão de eventuais crimes cometidos pelos três irmãos Gupta, a poderosa família de origem indiana que domina os negócios na África do Sul e que está também a ser investigada pelos serviços secretos do FBI.

Além das acusações de que Zuma esteja a favorecer as atividades empresariais dos irmãos, o FBI está a investigar sobretudo fluxos de caixas suspeitos, enviados pelos Gupta diretamente da África do Sul para o Dubai e para os Estados Unidos.

A oposição sul-africana considera que Ajay, Atulk e Rajesh Gupta asseguraram junto de Zuma importantes posições na administração sul-africana, pagando somas avultadas em dinheiro e permitindo ganhar concursos públicos no valor de centenas de milhões de dólares. Desde 2016 que quer Zuma quer a família Gupta negam quaisquer ilegalidades, afirmando-se, ambos, vítimas de uma “caça às bruxas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)