São os nove melhores filmes produzidos durante todo o ano passado, ou assim ditou a Academia Americana que os seleccionou como nomeados. Mas apenas um deles pode levar para casa o Óscar mais apetecido de todos. A escolha da Academia não é fácil, mas a sua também não: em fim de semana de estatuetas douradas, tem apenas um dia para ver todos eles e decidir qual é o seu favorito. Se ainda não vai com nenhum avanço, a tarefa pode ser inglória. Mas não desista já: nós facilitamos-lhe a tarefa.

Aqui em baixo vai encontrar, junto ao título de cada um dos nove filmes, a sinopse oficial que o acompanha para o poder conhecer melhor — mas sem tirar a magia da descoberta, fica a promessa. Se é mais amigo de imagens do que de palavras, também temos uma solução para si: logo a seguir pode encontrar também o trailer oficial do filme para avaliar se é do seu agrado. Se nada disto chegar para tomar decisões, juntámos ainda a crítica publicada aqui no Observador de cada um deles.

[Veja no vídeo 10 segundos de cada um dos 9 nomeados para melhor filme]

[jwplatform xkFhGWTj]

“Call Me by Your Name” (“Chama-me pelo teu Nome”)

Sinopse oficial: “O jovem Elio enfrenta outro verão ocioso na casa dos pais na bela e lânguida paisagem italiana. Mas tudo muda com a chegada de Oliver, um académico que veio ajudar a pesquisa conduzida pelo pai de Elio”. Também nomeado para os Óscares de melhor ator por Timothée Chalamet, melhor canção original por “Mistery of Love” (Sufjan Stevens) e melhor argumento adaptado por James Ivory.

“Chama-me pelo Teu Nome”: um amor clandestino na Itália dos anos 80

“Darkest Hour” (“A Hora Mais Negra”)

Sinopse oficial: “Com a Grã-Bretanha à beira de perder a guerra para a Alemanha, Winston Churchill sofre  com a pressão para fazer um acordo com Hitler e estabelecer o estado como parte do território do Terceiro Reich, mas resiste”. Também nomeado para os Óscares de melhor ator por Gary Oldman, melhor direção de fotografia, melhor guarda-roupa, melhor caracterização e melhor direção de arte.

“A Hora Mais Negra”: o Churchill de Gary Oldman é melhor que o filme que o retrata

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Dunkirk”

Sinopse oficial: “Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha avança rumo à França e cerca as tropas aliadas nas praias de Dunkirk. Sob cobertura aérea e terrestre das forças britânicas e francesas, as tropas são lentamente evacuadas da praia”. Também nomeado para os Óscares de melhor realizador por Christopher Nolan, melhor montagem, melhor direção de fotografia, melhor banda sonora e melhor direção de arte.

“Dunkirk”: derrota e salvação nas areias de França

“Get Out” (“Foge”)

Sinopse oficial: “Um jovem fotógrafo descobre um segredo sombrio quando conhece os pais aparentemente amigáveis da sua namorada”. Também nomeado para os Óscares de melhor ator por Daniel Kaluuya, melhor realizador por Jordan Peele e melhor argumento original.

“Lady Bird” (“Lady Bird — A Hora de Voar”)

Sinopse oficial: “Christine McPherson está no último ano do colégio e o que mais deseja é ir para a faculdade longe de Sacramento, Califórnia, ideia rejeitada pela mãe. Lady Bird, como a rapariga de forte personalidade exige ser chamada, não se dá por vencida e leva o plano de ir embora adiante. Enquanto a hora não chega, ela divide-se entre as obrigações estudantis no colégio católico, o primeiro namoro, típicos rituais de passagem para a vida adulta e inúmeros desentendimentos com a progenitora”. Também nomeado para os Óscares de melhor atriz por Saoirse Ronan, melhor atriz secundária por Laurie Metcalf, melhor realizador por Greta Gerwig e melhor argumento original.

[“Lady Bird” estreia-se em Portugal a 8 de março]

“Phantom Thread” (“Linha Fantasma”)

Sinopse oficial: “Nos anos 1950, Reynolds Woodcock é um renomado e confiante estilista que trabalha ao lado da irmã, Cyril, para vestir grandes nomes da realeza e da elite britânica. A sua inspiração surge através das mulheres que, constantemente, entram e saem da sua vida. Mas tudo muda quando ele conhece a forte e inteligente Alma, que se transforma na sua musa e amante”. Também nomeado para os Óscares de melhor ator por Daniel Day-Lewis, melhor atriz secundária por Lesley Manville, melhor realizador por Paul Thomas Anderson e melhor banda sonora.

“Linha Fantasma”: o requintado e brilhante adeus de Daniel Day-Lewis

“The Post” (“The Post — A Guerra Secreta”)

Sinopse oficial: “Em 1971, os editores Katharine Graham e Ben Bradlee do The Washington Post arriscam as suas carreiras e liberdade para expor segredos governamentais que abrangem três décadas e quatro presidentes dos Estados Unidos”. Também nomeado para o Óscar de melhor atriz por Meryl Streep.

“The Post”: parem as rotativas, Steven Spielberg filma a liberdade de imprensa

“The Shape of Water” (“A Forma da Água”)

Sinopse oficial: “Elisa é uma empregada de limpeza muda que trabalha num laboratório onde um homem anfíbio está mantido em cativeiro. Quando Elisa se apaixona pela criatura, ela elabora um plano para ajudá-lo a escapar com a ajuda do seu vizinho”. Também nomeado para os Óscares de melhor atriz por Sally Hawkins, melhor ator secundário por Richard Jenkins, melhor atriz secundária por Octavia Spencer, melhor realizador por Guillermo del Toro, melhor montagem, melhor guarda-roupa, melhor banda sonora, melhor edição sonora e melhor argumento original.

“A Forma da Água”: pela boca morre o homem-peixe

“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” (“Três Cartazes à Beira da Estrada”)

Sinopse oficial: “Inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado do brutal assassinato da sua filha, Mildred Hayes decide chamar a atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors numa estrada raramente usada. A inesperada atitude repercute em toda a cidade e as suas consequências afetam várias pessoas, especialmente a própria Mildred e o Delegado Willoughby, responsável pela investigação”. Também nomeado para os Óscares de melhor atriz por Frances McDormand, melhores atores secundários por Woody Harrelson e Sam Rockwell, melhor montagem, melhor banda sonora e melhor argumento original.

“Três Cartazes à Beira da Estrada”: a justiça materna tem insultos e sarcasmo