A Polícia Judiciária esteve esta terça-feira a fazer buscas na Câmara Municipal de Pedrógão Grande devido a uma denúncia do presidente da câmara por “suspeitas de falsificação de documentos e desvio de dinheiro por parte de três funcionários do Departamento Contabilístico e Tesouraria”.

O autarca, Valdemar Alves, confirmou a informação e avançou ao Observador que a denúncia foi feita pelo próprio ao Ministério Público e à Polícia Judiciária. “Já andava desconfiado que algo de errado se passava naquele departamento“, justificou. Pediu ao Revisor Oficial de Contas que analisasse os documentos e o resultado não o surpreendeu: “Confirmou-se a minha suspeita de falsificação de documentos e desvio de dinheiro“.

Os elementos da Polícia Judiciária recolheram documentos em formato de papel, não tendo apreendido qualquer material informático, garante o presidente da câmara. Em relação à alegada quantia desviada, Valdemar Alves considera que o valor “de certeza ascende os 30 mil euros”. O autarca garante que estas buscas não têm qualquer ligação aos incêndios que afetaram a região em junho de 2017, ao contrário do que chegou a ser noticiado esta terça-feira à tarde.

Foi aberto, esta terça feira, um inquérito disciplinar interno na câmara de Pedrógão Grande e desse inquérito já resultou a suspensão de três funcionários do Departamento Contabilístico e Tesouraria. Estes funcionários ficam suspensos até à conclusão da investigação do Ministério Público.