“A rebelião dos Incel já começou. Vamos derrubar todos os Chads e as Stacys. Deem vivas ao Supreme Gentleman [Supremo Cavalheiro] Elliot Rodger!“. Esta foi uma das últimas mensagens escritas numa conta de Facebook que se acredita ser de Alek Minassian, o homem que estaria atrás do volante da carrinha que atropelou uma série de pessoas em Toronto, na segunda-feira, matando 10 peões e deixando mais 15 feridos. Este post nas redes sociais pode ajudar a perceber os problemas de saúde mental que terão estado na origem do crime, que a polícia acredita não estar relacionado com terrorismo ou crime organizado.

Eis a descodificação possível do que Minassian terá escrito no Facebook, numa conta que a polícia está a tentar confirmar se pertence realmente ao suspeito.

  • Incel é uma contração das palavras involuntarily celibate, ou seja, “celibatários involuntários”. São aqueles que vivem em abstinência sexual, mas não porque assim o desejem — porque as mulheres não darão seguimento aos seus avanços amorosos e sexuais.
  • Os Chads e as Stacys serão referências a nomes que, na cultura pop norte-americana, aparecem associados aos jovens sexualmente ativos e com maior popularidade, entre os seus pares, na escola (uma popularidade, frequentemente, inversamente proporcional ao grau de cultura ou inteligência).
  • Elliot Rodger foi o autor de outro atropelamento, em 2014, na Califórnia (EUA), que matou sete pessoas depois de se queixar de que as mulheres não queriam sair com ele. Poucos dias antes desse ataque, num vídeo no youtube, Elliot Rodger também usava os nomes Chad Stacy para se referir, de forma depreciativa, aos jovens que seriam sexualmente ativos. Depois desse atentado, Elliot Rodger, que tinha 22 anos, suicidou-se (não sem antes ter publicado um “manifesto” contra as relações amorosas e sexuais entre pessoas de raças diferentes).

A possibilidade de Alek Minassian se ter referido, nessa conta do Facebook, a Elliot Rodger leva a crer que o ataque de segunda-feira foi resultado de um problema de saúde mental que, ainda assim, nunca se tinha manifestado ao ponto de o suspeito ter entrado nos radares da polícia.

Minassian, que depois do crime saiu da carrinha e implorou à polícia que o alvejasse na cabeça, seria um estudante da Seneca College, segundo o seu perfil na rede social LinkedIn. Estaria a estudar Informática e o seu nome aparece ligado às equipas de programadores que criaram apps de telemóvel, incluindo uma que procurava lugares de estacionamento na cidade.

A Seneca College fica perto do local do crime, na zona norte de Toronto. O suspeito cresceu e vive não muito longe dessa zona, numa rua suburbana em Richmond Hill — a polícia esteve, ainda durante o dia de segunda-feira, no interior da casa, no âmbito da investigação ao incidente.

Os vizinhos conheciam-no mal e até os velhos colegas de escola não guardam grandes memórias de alguém que “não era especialmente sociável”. Essa foi a descrição feita por Ari Bluff, que andou com Alek Minassian na escola secundária e partilhou com ele algumas aulas de informática.

À CBC, o ex-colega de turma diz que, de acordo com a sua memória “imperfeita”, Alek não teria muitos amigos. “Acho que ele não tinha quaisquer amigos próximos, pelo menos que se conhecessem publicamente”.

Eu nunca o vi com grupos de amigos. Mas sempre que nos cruzávamos com ele nos corredores dizíamos olá e falávamos um bocadinho, ou assim. Lembro-me dele a percorrer os corredores, normalmente sozinho, ou na cantina sozinho.”

Era alguém, basicamente, “metido consigo mesmo, com o mínimo de protagonismo”, afirma Ari Bluff, que partilhou com a televisão canadiana uma foto da turma de 2011, em que Minassian aparece na linha de cima, o segundo a contar da esquerda.

Foto cedida pelo ex-colega de turma Ari Bluff à CBC.