Corrupção

Ministério Público acusa ex-diretor do Museu da Presidência de abuso de poder e tráfico de influência

194

Diogo Gaspar, ex-diretor do museu da presidência que foi alvo de buscas da polícia judiciária em 2016, e viu apreendidas peças que tinha do instituto em casa, foi acusado de crimes de abuso de poder.

Diogo Gaspar foi diretor do Museu da Presidência durante 12 anos. Atualmente trabalha na Direção Regional de Cultura do Centro

Pedro Nunes/LUSA

Diogo Gaspar, antigo diretor do Museu da Presidência da República, foi acusado pelos crimes de abuso de poder, participação económica em negócio, tráfico de influência, falsificação de documento, peculato e branqueamento de capitais, avançou esta tarde o jornal Público, com base em nota da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

O Ministério Público afirma que “está suficientemente indiciado que entre 2004 e 2016, o arguido que exercia funções no Museu da Presidência da República (MPR) utilizou a sua posição, funções e atribuições e para obter vantagens patrimoniais e não patrimoniais indevidas, em seu benefício e de terceiros”. 

Em 2016, o Ministério Público fez buscas na casa de Diogo Gaspar e apreendeu vários objetos pertences ao espólio do museu que coordenava (incluindo um retrato de Jorge Sampaio pintado pela pintora Paula Rego).

Segundo a acusação, Gaspar “elaborou uma lista de peças de mobiliário do Palácio da Cidadela de Cascais que classificou como “alienáveis”, a abater, invocando o seu estado de degradação ou falta de valor e considerando que a melhor proposta apresentada foi a da empresa de um outro arguido, logrou adquirir para si, pelo menos, 178 peças de mobiliário por valor inferior ao de mercado. A nota da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa refere ainda que Gaspar e os outros três arguidos utilizaram documentos que “não correspondiam à verdade” para  “ocultar a atuação criminosa”.

Diogo Gaspar foi condecorado a 16 de fevereiro de 2016 com o grau de Cavaleiro da Ordem de Santiago, pelo Presidente da República Aníbal Cavaco Silva, pelo seu trabalho prestado como responsável do Museu da Presidência da República, desde o seu início, em 2001. Diogo Gaspar foi escolhido para o cargo pelo Presidente Jorge Sampaio, que também o condecorou. Esteve 12 anos à frente do Museu da Presidência da República.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Corrupção

Futebol: afinal, era tudo verdade /premium

Miguel Pinheiro

Os nossos aspirantes a censores querem calar os debates sobre futebol na TV. Só há um problema: segundo as autoridades, os comentadores que andam há anos a falar em golos roubados tinham razão.

Eutanásia

A morte não vencerá

Tiago Macieirinha

Sob a desculpa da compreensão pelos que sofrem, os projetos de lei que se apresentam no Parlamento significam antes a desistência em relação a eles. 

passeio aleatório

O meu vizinho Philip Roth /premium

Nuno Crato

Morreu um dos maiores romancistas das últimas décadas. A emigração portuguesa em Newark conhece bem o ambiente dos seus romances. Mas talvez o sentido de tolerância nos leve bem mais perto do escritor

Eutanásia

Eutanásia: porque não /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Em todos os países em que se pratica a eutanásia, é origem e causa de irremediáveis abusos contra a vida e a dignidade humana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)