Cabul

Estado Islâmico reivindica atentado no aeroporto de Cabul que fez 15 mortos

Ao número de mortos somam-se mais 60 feridos. As vítimas encontravam-se a celebrar, juntou ao aeroporto, o regresso do do general Abdul Rashid Dostum.

JAWAD JALALI/EPA

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou hoje o atentado no aeroporto de Cabul, Afeganistão, que até ao momento fez 15 mortos e 60 feridos, confirmando que o objetivo eram as celebrações do regresso do general Abdul Rashid Dostum.

Esta informação foi difundida pela Amaq, a sua agência de propaganda, explicando que a explosão resultou de um ataque suicida com recurso a um cinturão de explosivos, tendo como objetivo “as celebrações no aeroporto para receber o primeiro vice-presidente do Afeganistão”.

Rashid Dostum, temido e poderoso senhor da guerra do norte do Afeganistão e primeiro vice-presidente, regressou hoje a Cabul após um ano de exílio e foi recebido como um herói.

Momentos após sair do aeroporto, num jipe blindado e com uma forte escolta, aconteceu o atentado suicida, junto dos apoiantes que festejavam o seu regresso.

Segundo o porta-voz, Hashmat Stanikzai, a explosão foi provocada por um “kamikaze” e aconteceu nas portas do aeroporto quando a comitiva do general saía, no meio de uma multidão.

O porta-voz afirmou que o general usbeque saiu ileso do atentado.

Até ao momento este ataque fez 15 mortos e 60 feridos.

Segundo a agência de notícias France Press muitas ambulâncias foram para o local.

O avião fretado pelo governo afegão para transportar Dostum de Ancara aterrou no aeroporto internacional de Cabul às 16:30 (13:00 em Portugal), onde o aguardavam uma fila de oficiais e apoiantes entusiastas.

Dostum, que deve retomar as funções de vice-presidente apesar das acusações de tortura e violação que o obrigaram a deixar o país em 2017, foi especialmente saudado por membros da comunidade usbeque.

Dostum é o segundo senhor da guerra afegã a regressar à capital com honras depois de Gulbuddin Hekmatyar, conhecido como o “açougueiro da Cabul”, ter voltado em maio do ano passado, após 20 anos de exílio.

Hoje de manhã Cabul “acordou” com muitas fotografias do general de origem usbeque espalhadas pelas ruas, ao longo da estada do aeroporto e à volta do palácio presidencial, acompanhadas da frase “bem vindo”, em dari (língua persa do Afeganistão) e em inglês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)