Venezuela

Maduro insiste que atentado tem mão de Juan Manuel Santos e diz que vai apresentar provas

O presidente da Venezuela diz que vai apresentar provas do envolvimento do homólogo colombiano, Juan Manuel Santos, no atentado de sábado.

AFP/Getty Images

Nicolás Maduro continua a acusar Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia até esta terça-feira — dia em que o seu sucessor recém-eleito, Iván Duque, tomou posse — de estar implicado no alegado atentado de sábado. No Twitter, o presidente da Venezuela disse que vai apresentar provas do chefe de Estado colombiano no ataque com drones na Avenida Bolívar, em Caracas, durante o 81º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana.

Logo no sábado, três horas depois dos acontecimentos, Maduro surgiu no canal estatal venezuelano a acusar Juan Manuel Santos:

Neutralizámos a situação em tempo recorde. Foi um atentado para matar-me. Hoje tentaram assassinar-me e não tenho dúvidas que tudo aponta para a direita, a extrema-direita venezuelana em aliança com a extrema-direita colombiana e que o nome de Juan Manuel Santos está por detrás deste atentado.”

Na madrugada desta quarta-feira, o presidente venezuelano voltou ao Twitter para reforçar a ideia de um ataque perpetrado por elementos ligados à extrema-direita: “A direita golpista passou os limites ao tentar, por via da eliminação de um adversário, aceder ao poder político. Defendo e reivindico a paz, a democracia e a Constituição, como único caminho para fazer política na Venezuela”, escreveu.

E não se ficou por aqui, publicando mais tweets, onde diz que “o atentado foi contra todos os venezuelanos e venezuelanas, contra a paz e contra a estabilidade da República”.

No sábado, poucas horas depois de Maduro ter acusado Juan Manuel Santos, a Presidência da Colômbia refutou a afirmação: “Isso não tem base, o presidente está empenhado no batismo da sua neta Celeste, e não em derrubar governos estrangeiros”, disse uma fonte da presidência colombiana aos jornalistas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)