Rádio Observador

Terrorismo

Vítimas de esfaqueamento em Amesterdão são norte-americanos

As duas pessoas que ficaram gravemente feridas num ataque com uma arma branca na sexta-feira na gare central de Amesterdão são cidadãos norte-americanos, divulgou o embaixador dos EUA na Holanda.

REMKO DE WAAL/EPA

As duas pessoas que ficaram gravemente feridas num ataque com uma arma branca perpetrado na sexta-feira na gare central de Amesterdão são cidadãos norte-americanos, divulgou hoje o embaixador dos Estados Unidos na Holanda.

“As duas vítimas são cidadãos norte-americanos e estamos em contacto com eles e com as respetivas famílias”, declarou Pete Hoekstra, num comunicado.

As autoridades holandesas confirmaram que as duas vítimas sofreram ferimentos graves, mas não correm perigo de vida.

“Desejamos-lhes uma recuperação rápida e estamos a trabalhar em estreita colaboração com a cidade de Amesterdão para fornecer assistência a eles e às suas famílias”, acrescentou o representante diplomático na mesma nota informativa.

Na sexta-feira, a polícia holandesa anunciou que tinha disparado e ferido um suspeito depois de um esfaqueamento na gare central de Amesterdão.

Numa série de mensagens publicadas na rede social Twitter, a polícia anunciou que duas pessoas tinham ficado feridas no esfaqueamento e que o suspeito tinha sido atingido a tiro por agentes da polícia.

O suspeito foi, entretanto, identificado como um jovem afegão de 19 anos.

As autoridades holandesas já iniciaram os procedimentos de interrogatório do suspeito para estabelecer o motivo do ataque.

A polícia holandesa está a avaliar a possibilidade de este incidente ser encarado como um ato terrorista.

A gare central de Amesterdão é um movimentado ponto de entrada e de saída daquela reconhecida cidade holandesa, de onde partem e chegam comboios regulares que fazem a ligação com o aeroporto de Schipol.

Cerca de 250.000 pessoas passam diariamente pela gare, segundo números do guia de viagem Amsterdam.info.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)