Rádio Observador

Documentários

Novo documentário de Michael Moore compara Donald Trump a Hitler

349

Michael Moore lançou novo documentário onde analisa a ascensão de Trump à Casa Branca e a compara à escalada de Hitler na Alemanha dos anos 1930. "Estamos a lutar para recuperar o nosso país", disse.

Getty Images

Antes havia o Fahrenheit 9/11. Agora há também o Fahrenheit 11/9 (um trocadilho com a data do primeiro dia de Trump como presidente eleito, 09 de novembro de 2016), o novo documentário de Michael Moore, apresentado esta quinta-feira à noite no Festival de Cinema de Toronto, no Canadá. O filme é uma espécie de sequela à crítica do realizador norte-americano a George W. Bush (ainda hoje o documentário com maior lucro de sempre) e analisa a ascensão de Donald Trump a presidente dos Estados Unidos.

No documentário são explicadas as forças que terão contribuído para a vitória eleitoral de Trump e traçados paralelos com a escalada de Hitler na Alemanha dos anos 1930. A certa altura o filme sobrepõe palavras de Trump a vídeos de comícios de Hitler enquanto um historiador fala da ascensão de homens fortes a posições de poder.

Exploramos a questão de como nos metemos nesta confusão dos diabos e como saímos dela. Ele [Trump] anda por aí há muito tempo e nós comportamo-nos de uma certa maneira durante muito tempo. Quando olhamos para trás, agora percebemos como o caminho lhe foi aberto”, disse o realizador de 64 anos.

Antes da exibição do filme, Michael Moore agradeceu aos canadianos por acolherem a estreia de Fahrenheit 11/9: “Queríamos poder dizer que fizemos pelo menos uma exibição em Toronto”, atirou, dando a entender que podia ser a primeira e última exibição do documentário. Todos os cuidados foram poucos e o realizador deu conta disso, ao sublinhar a natureza clandestina do filme. “Disse a todos os que estavam a gravar o filme que tínhamos de agir como se estivéssemos na Resistência francesa”.

“O que queríamos transmitir com este filme é o sentimento de urgência que todos nós estamos a sentir”, continuou Moore. “Estamos a lutar para recuperar o nosso país. Quem não entenda isso vai dececionar-se amargamente com os resultados do que está prestes a acontecer nos próximos anos com Donald Trump”, acrescentou.

No filme, há muitos fatores apresentados como estando na base da ascensão de Trump: desde as suposições de que a vitória da candidata democrata, Hillary Clinton, estava ‘no papo’, até aos meios de comunicação norte-americanos e… a Gwen Stefani. Confuso? Michael Moore tem uma teoria: a campanha de Trump à Casa Branca só começou para conseguir um aumento de salário na NBC, onde integrava o programa “O Aprendiz”. Tudo porque Gwen Stefani ganhava mais do que ele como jurada do “The Voice”, no mesmo canal. Moore acredita que os filhos de Trump o incentivaram a realizar dois comícios presidenciais como forma de publicitar o seu “problema” e que o agora presidente gostou do que viu e resolveu avançar.

“Sabem, o Trump tem uma mentalidade muito retrógrada e limitada. Uma mulher ganhava mais do que ele na NBC. Foi só isso que foi preciso”, atirou Michael Moore, que garante que sofreu repercussões assim que anunciou o filme. “Mantive tudo em segredo até anunciar o filme no programa do Stephen Colbert e mostrar algumas cenas do filme. Na semana seguinte recebi uma visita do Departamento das Finanças, que me queria auditar. Nunca tinha sido alvo de uma auditoria. A graça aqui é que desde ‘Roger & Me’ que eu pago mais. Não faço deduções e dou recibos, o que significa que estou a pagar a mais. Por isso, quando for auditado, eles vão descobrir que estou a pagar mais impostos do que aqueles a que sou legalmente obrigado e vão ter de me devolver o dinheiro”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)