Chefs

Lisbon Food Week. Vem aí muita comida (e não só)

Entre os próximos dias 1 e 10 de outubro, a capital vai ser invadida por chefs, palestras, jantares e, claro, o Congresso dos Cozinheiros. Conheça o programa e escolha o que não vai querer perder.

RitaSantana@ClementineThings

É verdade que há sempre uma boa desculpa para se comer qualquer coisa, contudo, fica sempre mais fácil quando existem eventos como o Lisbon Food Week, que começa já na próxima segunda-feira, 1 de outubro, e alimentará estômagos e cabeças até ao dia 10 do mesmo mês.

Como tem sido hábito nos últimos anos, as hostilidades são iniciadas com o Congresso Nacional dos Cozinheiros (CNC), evento que já é um dos mais prestigiados, ao nível nacional, na área da gastronomia. Realizado desde 2005, esta reunião de chefs, produtores e amantes da gastronomia será uma das mais internacionais de sempre, contando já que reunirá debaixo do mesmo estandarte nomes conceituados como os de Andoni Aduriz — duas estrelas Michelin no Mugaritz, em San Sebastián — ou Josean Alija — uma estrela no Nerua, no Museu Guggenheim de Bilbao — que, à semelhança dos seus colegas portugueses (como Nuno Mendes, José Avillez, Alexandre Silva, Vasco Coelho Santos, António Galapito e muitos, muitos outros) que também vão marcar presença neste CNC, vão fazer apresentações variadas que têm todas um objetivo em comum: a partilha de conhecimento, pontos de vista e, quiçá, de alguns segredos. Este evento é aberto ao público e têm um preço de 50€ (por dia).

Conversar é ótimo mas, infelizmente, não “puxa carroça”, como se costuma dizer, daí haver toda uma extensa listagem de jantares e almoços temáticos que vão decorrer ao longo desses dias. No total estão programados nove refeições especiais (sendo que algumas vão ser repetidas em dois dias) e, de entre todas, aquelas que mais se destacam surge, por exemplo, a de 5 de outubro, que se realiza na 1300 Taberna e tem como título “Um Cozido de Portugal por Nuno Diniz”. Para quem possa não reconhecer o nome, trata-se de uma das figuras mais importantes do ensino gastronómico em Portugal que, ao longo dos anos, se especializou no típico Cozido à Portuguesa. Realiza, há uns anos, umas refeições dedicadas à iguaria nacional onde a variedade e abundância de ingredientes portugueses impera — este será o maior de sempre e conta com 92 produtores, 116 produtos típicos, 39 vinhos, oito queijos e oito doces. Leve umas calças folgadas para esta refeição e, caso não consiga marcar presença, consulte aqui o planeamento completo de todos os jantares e almoços desta Lisbon Food Week.

No capítulo das conversas também há também três opções (todas de entrada livre) que envolvem sempre chefs conhecidos, produtores e outras figuras influentes do meio da gastronomia. Uma das mais interessantes, por exemplo, é o debate “Mulheres com Tomates”, ideia que nasceu na edição de 2017 da LFW e que procurou esclarecer e levantar questões sobre o papel da mulher no mundo da cozinha, área que é tantas vezes criticada por ter falta de representatividade do sexo feminino. Nesse debate, que se realiza no espaço de cowork Second Home a 9 de outubro (das 18h30 às 19h30), vão ter a palavra Joana Freitas (do produtor vinícola Ermelinda Freitas, Joana Sarrazy (da Quinta do Poial), Joy Jung (responsável máxima pelo luxuoso Vila Joya), o chef Leopoldo Calhau, Madalena Motta (dos chás Gorreana) e Niccolo Corallo (dos chocolates Corallo). O tópico que este ano será discutido girará em torno de empreendedores que decidiram pegar em negócios de família por culpa de mulheres importantes que, muitas vezes, estiveram na origem de cada um dos projetos que agora lideram.

Finalmente, uma das inovações desta edição de 2018 da Lisbon Food Week é a introdução de rotas gastronómicas dedicadas a pratos ou produtos específicos. No total vão haver quatro seleções que a organização deste evento escolheu e que abarcam tópicos distintos. Por exemplo, duas delas vão ser a Rota dos Restaurantes de Chefs, um percurso entre os melhores espaços com comida de autor da cidade (onde surgem nomes como o Belcanto, Loco, Feitoria, Pestana Palaca ou a Tasca da Esquina, entre outros) e a rota dos Melhores Bifes de Lisboa, seleção onde aparecem nomes como o Pap’Açorda, Gambrinus, Oh Lacerda!, Volver Carne y Alma ou o Café de São Bento.

Como já deu para perceber, vão ser dez dias em que corpo e alma nunca irão sofrer de carências alimentares. Resta relembrar que todas as informações complementares estarão disponíveis aqui. Bom proveito.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)