Rádio Observador

Inglaterra

Theresa May quer saber verdade sobre homicídio de Khashoggi

A primeira-ministra britânica, Theresa May, condenou o homicídio do jornalista saudita Jamal Khashoggi e defendeu que deve ser estabelecida a verdade sobre as circunstâncias da morte.

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A primeira-ministra britânica, Theresa May, condenou esta segunda-feira o homicídio do jornalista saudita Jamal Khashoggi e defendeu, numa intervenção na Câmara dos Comuns, que deve ser estabelecida a verdade sobre as circunstâncias da morte.

“Tenho certeza de que toda a Câmara se juntará a mim para condenar a morte de Jamal Khashoggi nos termos mais fortes possíveis. Precisamos descobrir a verdade do que aconteceu”, afirmou no parlamento britânico.

Também o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, condenou o “homicídio horrível”, mas disse que não é suficiente, exortando o governo a proibir a venda de armas à Arábia Saudita. O assunto vai ser discutido em profundidade esta tarde, na sequência de uma declaração esperada do ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt. Jamal Khashoggi foi morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul (Turquia) em 02 de outubro, alegadamente após um confronto com funcionários.

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson pediu ao governo britânico que não “feche os olhos” ao “homicídio” de Khashoggi e entende que se deve pressionar a Arábia Saudita a acabar com a guerra civil “brutal” no Iémen.

Num artigo publicado no “The Daily Telegraph”, o político conservador comparou a morte do jornalista à tentativa de homicídio do ex-espião russo Sergei Skripal com Novichok [um gás neurotóxico] em março, em Salisbury, atribuída pelas autoridades britânicas à Rússia.

Johnson considerou que ambos os casos envolvem “golpes patrocinados por Estados” e que têm como objetivo “amedrontar” os oponentes.

Outro antigo chefe da diplomacia, Jack Straw, também defendeu na BBC Radio 4 “uma ação firme para reduzir o poder desestabilizador do príncipe herdeiro saudita, Mohammed Bin Salman”. Straw sugeriu que o governo faça regressar o seu embaixador na Arábia Saudita e suspenda a venda de armas ao país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)