Videojogos

No novo jogo da Lego, o palco é dos vilões

O segundo jogo desta ano da Lego põe os super-heróis em segundo plano. "Lego DC Super-Villains" tem como protagonistas o Joker, Lex Luthor e Harley Quinn.

Joker e companhia são os protagonistas de um jogo onde os maiores heróis desaparecem nos primeiros minutos

Há quatro meses vimos chegar às lojas o primeiro jogo da Lego deste ano, The Incredibles, simultaneamente a primeira aventura relacionada com a Pixar a ser adaptada a videojogo misturada com as famosas peças de construção e a adaptação oficial dos dois filmes da família Parr. Quando o analisámos, sentimos que o nível de dedicação do estúdio que desenvolve os jogos da Lego estava apontada para o “grande” título do género do ano: Lego DC Super-Villains.

Falar de um jogo de Lego é falar de todos, já que a fórmula é a mesma há mais de dez anos: um jogo familiar em que resolvemos puzzles simples com as habilidades únicas de cada personagem, onde passamos muito tempo a destruir o cenário criativamente constituído por peças Lego. O que vai mudando de título para título são as franquias aplicadas (sendo que os super-heróis da DC levam vantagem por serem “prata da casa” da editora Warner Bros.) e os enredos mais humorísticos, polvilhados com uma grande diversidade de personagens disponíveis.

Lego DC Super-Villains, como o título bem demonstra, é um jogo totalmente construído do ponto de vista dos vilões da DC Comics. No início, a Liga da Justiça (constituída pelo Batman, Superman, Wonder Woman e companhia) são exilados para outra dimensão por um grupo de vilões que são as suas cópias criminosas vindas de um mundo paralelo. À falta dos maiores heróis da Terra, são os vilões como Joker, Lex Luthor e Harley Quinn que têm de salvar o planeta desta nova ameaça.

Para além do elenco que ascende às 160 personagens, todas com uma variedade única de habilidades, o grande diferença de Lego DC Super-Villains em relação aos outros jogos da marca é o facto de podermos criar o nosso próprio protagonista. A nossa personagem tem a capacidade de ir “aprendendo” novos poderes ao longo do jogo, o que é justificado por um mito da banda desenhada DC relativamente obscuro, sobre um vilão chamado Amazo. Numa era em que as adaptações ao pequeno e grande ecrã dos super-heróis parecem dominar a linguagem em torno do género, foi uma agradável surpresa sentir que o estúdio Traveller’s Tale foi mais longe nas suas inspirações, indo até ao material original da BD.

A história principal do jogo tem 15 níveis diferentes, que nos pareceram muito mais curtos do que as missões de jogos anteriores. Há menos objetos colecionáveis em cada missão e muito menos puzzles, resultando, em geral, num jogo que parece levar menos tempo a terminar . Em comparação com Lego the Incredibles, os puzzles não parecem ser tão simplistas e a obtenção dos extras não é tão facilitada. No entanto, é impossível não sentir que o nível de complexidade e de desafio tem caído de ano para ano, infantilizando um título que não é apenas para crianças. Por outro lado, o facto de existirem dois a três jogos de Lego feitos todos os anos pelo mesmo estúdio, faz com que se comece a sentir a falta de originalidade nos quebra-cabeças apresentados. Os jogadores habituées da série resolverão as missões num ápice, sentindo que a “frescura” de outrora já há muito se perdeu.

Nos últimos dois anos temos sentido também um novo direcionamento estético para a série, com uma mistura de cenários mais detalhados e mais realistas com construções Lego. Em algumas situações essa mistura de duas linguagens distintas funciona, mas por este jogo ter muitas zonas muito escuras (como Arkham, Gotham City e Apokoplis) existe alguma confusão visual para quem está a jogar e que não consegue distinguir o que é destrutível do que é apenas cenário. Para isso contribui também os habituais problemas de câmara que sempre assombraram os jogos da Lego e que nem depois de todos estes anos continuam resolvidos.

O ponto forte de Lego DC Super-Villains, dentro de toda a repetição da série, reside na qualidade do enredo, no humor apurado dos personagens e no excelente voice acting. Muitos dos atores de Hollywood que ao longo dos anos emprestaram a voz a personagens da DC, regressam aqui ao trabalho, elevando, e muito, a qualidade de interpretação. Os maiores destaques vão mesmo para o regresso de Mark Hamill à pele de Joker, de Michael Ironside, que reinterpreta o vilão Darkseid 12 anos depois, de Tara Strong, que empresta a sua voz às “conhecidas” Harley Quinn, Batgirl e Raven, e de Kevin Conray, na sua quinquagésima interpretação de Bruce Wayne/Batman.

Lego DCSuper-Villains é mais do mesmo, mas para os fãs dos jogos da Lego isso é suficiente. Para além do mundo bem construído, com muitas partes do universo DC, e do seu excelente enredo e voice acting, não existem argumentos mecânicos de inovação que consigam convencer quem nunca gostou destes jogos a “entrar” finalmente na série. Destinado para fãs da Lego e da DC, trata-se de um ótimo título para se passar de fio a pavio com os mais pequenos, que continuam a ser um dos públicos-alvos. Mas, infelizmente, é pouco mais do que isso.

Lego DC Super-Villains está disponível para PS4, Xbox One, PC e Nintendo Switch por 59,99€.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)