Rádio Observador

Óbito

Morreu a primeira mulher a integrar um Governo em Portugal

250

Maria Teresa Cárcomo Lobo foi subsecretária de Estado da Saúde, entre 1970 e 1973, no governo de Marcelo Caetano. Morreu aos 89 anos, no passado dia 8 de dezembro, no Rio de Janeiro, Brasil.

Maria Teresa Cárcomo Lobo tinha 89 anos e vivia no Rio de Janeiro, Brasil

Morreu a primeira mulher a fazer parte de um governo em Portugal. Nascida em Angola em 1929 e de origem indiana, Maria Teresa Cárcomo Lobo tinha 89 anos e vivia no Rio de Janeiro, Brasil. A notícia foi avançada na quinta-feira pelo embaixador Francisco Seixas da Costa e já foi confirmada pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

Foi Marcello Caetano, o último chefe de Governo do Estado Novo, que, em agosto de 1970, nomeou Maria Teresa Cárcomo Lobo para o cargo de subsecretária de Estado da Saúde e Assistência, estreando, assim, a participação das mulheres no poder executivo. Teresa Lobo era licenciada em Direito e integrou o governo até novembro de 1973, quando foi feita uma remodelação governamental. Deputada à Assembleia Nacional, fez parte do conselho da presidência da Assembleia como presidente da Comissão de Saúde e Assistência e foi condecorada com o grau de Grande Oficial da Ordem Militar de Cristo.

No dia 20 de agosto de 1970, o jornal vespertino A Capital avançou a notícia da nomeação de Maria Teresa Lobo para o Executivo de Caetano. “Uma senhora (pela primeira vez) membro do Governo” foi o título escolhido.

O vespertino “A Capital” noticiou a nomeação de Maria Teresa Cárcomo Lobo para o Governo de Marcello Caetano (imagem retirada do jornal Expresso)

Maria Teresa Lobo tomou posse no Palácio de Belém, em Lisboa (momento que pode ser visto nos arquivos da RTP) e foram muitas as suas intervenções parlamentares. Entre elas destacam-se a participação na discussão na especialidade da proposta de lei do IV Plano de Fomento, a apresentação de um requerimento que pedia informações sobre a ação do Comissariado do Governo para os Assuntos do Estado da Índia e um requerimento sobre a proteção e defesa dos animais. Por último, mas não menos importante, participou também no debate na especialidade da proposta de lei sobre transplantes de tecidos ou órgãos de pessoas vivas.

Ainda antes de chegar ao governo de Marcello Caetano, Teresa Lobo já tinha passado por Macau, onde foi docente, e por Moçambique e já tinha também chefiado o gabinete de Estudos Económicos e Financeiros do Banco Nacional Ultramarino. Depois da Revolução de Abril, Teresa Lobo acabou por se mudar para o Brasil, onde continuou a sua atividade profissional. Ali, foi juíza federal no Rio de Janeiro e, apesar de se ter aposentado em 1999, ainda desempenhou o cargo de dirigente da ACRJ até junho de 2017.

Numa mensagem publicada no Facebook, o embaixador Seixas da Costa recorda a novidade, quase “histórica”, que a nomeação de Teresa Lobo constituiu. A sua imagem, “muito da época, foi uma imagem que encheu então os jornais e a televisão, passando subliminarmente como uma “prova” da “abertura” Marcelista”, escreve Seixas da Costa. Foi com “enorme tristeza” que a ACRJ confirmou, em comunicado, a morte da antiga governante portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salvo raras exceções

Diogo Poço Miranda

Não interessa aos dirigentes políticos que os melhores se envolvam na política, porque o certo é que se os melhores da sua geração o tivessem feito eles não estariam lá. Salvo raras exceções

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)