Óbito

Morreu a primeira mulher a integrar um Governo em Portugal

250

Maria Teresa Cárcomo Lobo foi subsecretária de Estado da Saúde, entre 1970 e 1973, no governo de Marcelo Caetano. Morreu aos 89 anos, no passado dia 8 de dezembro, no Rio de Janeiro, Brasil.

Maria Teresa Cárcomo Lobo tinha 89 anos e vivia no Rio de Janeiro, Brasil

Morreu a primeira mulher a fazer parte de um governo em Portugal. Nascida em Angola em 1929 e de origem indiana, Maria Teresa Cárcomo Lobo tinha 89 anos e vivia no Rio de Janeiro, Brasil. A notícia foi avançada na quinta-feira pelo embaixador Francisco Seixas da Costa e já foi confirmada pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

Foi Marcello Caetano, o último chefe de Governo do Estado Novo, que, em agosto de 1970, nomeou Maria Teresa Cárcomo Lobo para o cargo de subsecretária de Estado da Saúde e Assistência, estreando, assim, a participação das mulheres no poder executivo. Teresa Lobo era licenciada em Direito e integrou o governo até novembro de 1973, quando foi feita uma remodelação governamental. Deputada à Assembleia Nacional, fez parte do conselho da presidência da Assembleia como presidente da Comissão de Saúde e Assistência e foi condecorada com o grau de Grande Oficial da Ordem Militar de Cristo.

No dia 20 de agosto de 1970, o jornal vespertino A Capital avançou a notícia da nomeação de Maria Teresa Lobo para o Executivo de Caetano. “Uma senhora (pela primeira vez) membro do Governo” foi o título escolhido.

O vespertino “A Capital” noticiou a nomeação de Maria Teresa Cárcomo Lobo para o Governo de Marcello Caetano (imagem retirada do jornal Expresso)

Maria Teresa Lobo tomou posse no Palácio de Belém, em Lisboa (momento que pode ser visto nos arquivos da RTP) e foram muitas as suas intervenções parlamentares. Entre elas destacam-se a participação na discussão na especialidade da proposta de lei do IV Plano de Fomento, a apresentação de um requerimento que pedia informações sobre a ação do Comissariado do Governo para os Assuntos do Estado da Índia e um requerimento sobre a proteção e defesa dos animais. Por último, mas não menos importante, participou também no debate na especialidade da proposta de lei sobre transplantes de tecidos ou órgãos de pessoas vivas.

Ainda antes de chegar ao governo de Marcello Caetano, Teresa Lobo já tinha passado por Macau, onde foi docente, e por Moçambique e já tinha também chefiado o gabinete de Estudos Económicos e Financeiros do Banco Nacional Ultramarino. Depois da Revolução de Abril, Teresa Lobo acabou por se mudar para o Brasil, onde continuou a sua atividade profissional. Ali, foi juíza federal no Rio de Janeiro e, apesar de se ter aposentado em 1999, ainda desempenhou o cargo de dirigente da ACRJ até junho de 2017.

Numa mensagem publicada no Facebook, o embaixador Seixas da Costa recorda a novidade, quase “histórica”, que a nomeação de Teresa Lobo constituiu. A sua imagem, “muito da época, foi uma imagem que encheu então os jornais e a televisão, passando subliminarmente como uma “prova” da “abertura” Marcelista”, escreve Seixas da Costa. Foi com “enorme tristeza” que a ACRJ confirmou, em comunicado, a morte da antiga governante portuguesa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)