Volkswagen

Volkswagen vendeu carros que deviam ser destruídos

170

Denúncia revelou que o construtor alemão vendeu ilegalmente, nos EUA e na Europa, unidades pré-série que deveriam ter sido destruídas. Presidente Herbert Diess sabia da situação desde 2016 e nada fez.

Autor
  • Observador

A Volkswagen ainda está a braços com o Dieselgate e a tentar recuperar a confiança juntos dos consumidores, pelo que qualquer escândalo que coloque isso em causa é sempre prejudicial. Mas é exactamente isso que está a acontecer, depois de duas publicações germânicas terem avançado que o fabricante de Wolfsburg começou a vender, em 2006 e nos dois lados do Atlântico, carros que deveriam ter sido destruídos. Trata-se de unidades pré-série, aquelas que habitualmente vemos parcial ou totalmente camufladas e que não têm necessariamente de corresponder à versão de produção, até porque essas viaturas são usadas para efectuar exigentes testes, com vista a testar limites mecânicos e estruturais, pelo que o carro que depois chega aos concessionários reflectirá esse trabalho de desenvolvimento do produto, com as necessárias diferenças.

De acordo com o Der Spiegel, os números em nada se comparam à dimensão dos veículos afectados na manipulação das emissões (11 milhões). A marca assume que “despachou” 6.700 para os concessionários, para vender como novos ou usados, dependendo da quilometragem, mas o Der Spiegel fala em 17.000. O problema é que, conforme adiantou um porta-voz da marca ao Handelsblatt, embora as viaturas em causa venham a ser chamadas para ir à oficina, há casos que poderão não se resolver com uma mera actualização de software. Com a agravante de que, ao que tudo indica, a Volkswagen não documentou o que teriam esses carros de “errado” ou de diferente, face às unidades de série. Pelo que terá de haver novo programa de buyback.

De notar que vender unidades pré-série não é crime, desde que se obedeçam aos trâmites definidos na lei. Na Tesla, por exemplo, esta é uma prática regular. Sucede que, nesse caso, o cliente tem plena consciência do automóvel que está a levar para casa. Ora, não foi isso que aconteceu com a Volkswagen, que estaria obrigada não só a informar as entidades reguladoras do sector, como também os concessionários, sendo que estes, por sua vez, passariam a informação ao cliente. Nada disso foi feito, assume a marca, lamentando “profundamente o engano”.

Apesar das desculpas, a marca corre o risco de as autoridades decidirem puni-la de novo, com pesadas multadas, e de ter pela frente outra rodada de processos, movidos pelos concessionários ou clientes desavisados e lesados.

Segundo o Der Spiegel, o responsável máximo da Volkswagen, Herbert Diess, teria conhecimento das vendas ilegais desde 2016, sem que nada tivesse feito para corrigir esta situação anómala.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)