PSD

Marcelo sobre crise no PSD: “Não interfiro, nem vou interferir”, mas vai ouvir

271

Confrontado com crise no PSD, o Presidente da República diz que não interfere na vida interna dos partidos políticos, mas vai ouvir o que Luís Montenegro tem para dizer depois de reunir com Rui Rio.

Marcelo Rebelo de Sousa vai receber na próxima segunda-feira, no Palácio de Belém, Luís Montegro, candidato à liderança do PSD

JOÃO RELVAS/LUSA

Depois desta sexta-feira se ter encontrado com Rui Rio, no hotel Sharaton no Porto, e de ter confirmado que irá receber Luís Montenegro, na próxima segunda-feira, o Presidente da República garantiu que não interfere na vida interna dos partidos políticos.

Não interfiro, nem vou interferir”, disse o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa em declarações aos jornalistas, à chegada da Casa da Música, onde se deslocou para assistir a um concerto.

A propósito da situação interna do PSD,  Marcelo reafirma que não lhe compete pronunciar-se sobre o assunto. “A vida do PSD é com o PSD”, reitera.

Confrontado com o teor das conversações com o atual líder do Partido Social Democrata, Marcelo diz ter tido “uma breve conversa”,  que não poderia ser adiada, já que os dois políticos tinham “calendários completamente incompatíveis para a semana”.  Marcelo adiantou, ainda que sem especificar, que os dois discutiram “três problemas de política interna e um de política externa” e temas relativos a diplomas, um deles relacionado com a descentralização.

Eu queria ouvir a posição do PSD, atendendo à posição da Associação Nacional de Municípios. Mas, havia outros temas que estão pendentes no parlamento e que são urgentes e, por isso, é que lhe pedi, atendendo que na semana que vêm não era possível, antes de tomar a decisão, falar com Rui Rio, pedi-lhe para falar comigo hoje”, argumentou Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas à entrada de um concerto na Casa da Música, no Porto.

Sobre a audição com Luís Montenegro, candidato à liderança do PSD, confirmou que o encontro será no Palácio de Belém. Questionado sobre o que lhe irá dizer, limitou-se a responder:  “Nada, eu vou ouvir”, acrescentou.

Este encontro de Marcelo Rebelo de Sousa com o líder do PSD aconteceu no mesmo dia em que o antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro desafiou Rui Rio a marcar eleições diretas, apresentando-se como candidato à liderança do partido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
267

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)