Arábia Saudita

Espionagem no telemóvel de um amigo terá comprometido o jornalista saudita Khashoggi

O programa de origem israelita Pegasus terá, alegadamente, sido instalado no telemóvel de um ativista saudita e revelado as mensagens que os dois homens trocavam.

O programa de espionagem digital Pegasus foi criado pela empresa israelita NSO

JACK GUEZ/AFP/Getty Images

As conversas entre o jornalista saudita Jamal Khashoggi e um ativista saudita baseado no Canadá, Omar Abdulaziz, poderão ter sido vistas e ouvidas por quem os espiava e levado à morte do primeiro. Omar Abdulaziz, de 27 anos, já processou a empresa que alegadamente terá vendido o software que permitiu que o telemóvel fosse espiado, conforme noticiou o jornal The Washingthon Post.

Com este software, nem mesmo as mensagens partilhadas no WhatsApp estariam a salvo. Mas os dois amigos sauditas só se terão apercebido disso cerca de dois meses depois de as conversas que mantinham já serem do conhecimento de quem os vigiava. Cerca de dois meses depois disso, a 2 de outubro de 2018, Jamal Khashoggi desaparecia após entrar no consulado da Arábia Saudita na Turquia.

The Citizen Lab, um laboratório baseado na Universidade de Toronto (Canadá) que investiga a espionagem digital dirigida à sociedade civil, concluiu com “alta confiança” que o governo saudita terá o usado o spyware Pegasus (uma aplicação para espionagem digital) no telemóvel de Omar Abdulaziz. A empresa israelita NSO, que criou o Pegasus, recusa as acusações.

Quando questionada se algum dos elementos acusados de terem participado na morte do jornalista saudita no consulado do próprio país, a NSO disse que não vendia o programa a clientes individuais, como noticiou a CNN. Mas quando questionada se tinha vendido o Pegasus ao governo saudita a empresa respondeu que não faz comentários sobre clientes específicos.

A empresa defende-se dizendo que o programa é vendido com o objetivo de combater o crime e o terrorismo. Mais, todas as vendas são autorizadas pelo Ministério da Defesa israelita e destinam-se apenas a Estados e autoridades policiais. Depois deste caso, garante, todos os clientes foram investigados para verificar que tinham utilizado o programa de forma ilícita e, alegadamente, não detetaram nenhuma falha.

Programas como o Pegasus aproveitam-se de falhas no software das máquinas, como os smartphones, e instalam-se sendo capazes de ver e ouvir mensagens, fazer registos e vídeo. O utilizador nem se apercebe que está a instalar o programa (malware) que pode aparecer sob a forma de uma mensagem inofensiva.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)