PSP

Sindicatos da PSP acusam BE e SOS Racismo de incitamento à violência

8.100

Paulo Rodrigues considerou "inadmissíveis" os comentários que "colocam a população contra a polícia" e porque criam a ideia de que é legítimo tentar agredir as forças de segurança.

Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP)

Tiago Petinga/LUSA

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) acusou esta terça-feira algumas entidades políticas e associativas, como o Bloco de Esquerda (BE) e a associação SOS Racismo, de incitamento à violência e de colocarem a população contra a polícia. O Sindicato Nacional da Polícia-SINAPOL, também acusou responsáveis políticos e a SOS Racismo de produzirem “declarações insensatas”.

“Os comentários de entidades políticas, como o Bloco de Esquerda, e da associação SOS Racismo não vieram contribuir para a solução do problema. Tiveram um objetivo contrário e incitaram à violência”, disse à agência Lusa, o presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, depois dos incidentes ocorridos esta terça-feira de madrugada, nomeadamente o ataque com cocktails Molotov contra a esquadra da PSP da Bela Vista, em Setúbal.

Paulo Rodrigues considerou “inadmissíveis” os comentários que “colocam a população contra a polícia” e adiantou que criam a ideia de que é legítimo tentar agredir a polícia. O sindicalista adiantou que houve uma tentativa de classificar a PSP como racista e xenófoba.

Paulo Rodrigues referia-se à deputada do BE Joana Mortágua, que partilhou nas redes sociais um vídeo dos incidentes de domingo no bairro da Jamaica, concelho do Seixal, e comentou que os bloquistas iriam pedir responsabilidades.

A associação SOS Racismo anunciou que vai apresentar uma queixa ao Ministério Público na sequência da intervenção policial de domingo, sublinhando que as agressões “são absolutamente injustificáveis e inaceitáveis” e, por isso, o caso deve ser esclarecido e as responsabilidades apuradas.

O dirigente da SOS Racismo e assessor do BE Mamadou Ba publicou um texto na rede social Facebook em que fala da “violência policial” no bairro da Jamaica, no Seixal, e dos confrontos na segunda-feira em Lisboa, refere-se à polícia como “a bosta da bófia”.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, o SINAPOL diz repudiar todos os atos de violência e considera “verdadeiramente preocupante” que “incentivos gratuitos” à violência contra polícias sejam também induzidos pela SOS Racismo, o que “acaba por agravar situações” que já têm um cariz “explosivo”.

A intervenção policial no bairro da Jamaica resultou em ferimentos sem gravidade em cinco civis e um polícia. O presidente da ASPP não comentou a ocorrência, referindo que foram abertos inquéritos e afirmando que as ocorrências são cada vez mais complexas, sendo, por vezes, a polícia obrigada utilizar a força. O Ministério Público e a PSP abriram inquéritos aos incidentes no bairro da Jamaica.

A intervenção policial no bairro da Jamaica também levou à realização de uma manifestação, na segunda-feira à tarde, em Lisboa contra a violência policial e o racismo de que os manifestantes acusaram a PSP, tendo o protesto terminado com quatro detidos na sequência do apedrejamento de elementos da Polícia de Segurança Pública.

A PSP reforçou esta terça-feira o policiamento com elementos da Unidade Especial de Polícia na Bela Vista, em Setúbal, e em algumas zonas de Loures e Odivelas (distrito de Lisboa), após incidentes registados durante a noite, com o lançamento de “cocktails Molotov” contra uma esquadra e o incêndio de caixotes e de várias viaturas.

Em comunicado, a PSP informou que continua as investigações a estes incidentes, “nada indiciando, até ao momento, que estejam associados à manifestação” de protesto contra uma intervenção policial no bairro da Jamaica.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)