Violência Doméstica

Seis comarcas vão ter em abril gabinetes de atendimento a vítimas de violência doméstica ou de género

António Costa reconhece falhas nas instituições na deteção precoce da violência doméstica, mas diz que as vítimas devem confiar no Estado. Em abril, seis comarcas terão gabinetes para receber vítimas.

António Costa falava em Lisboa, após a assinatura de quatro protocolos que criam gabinetes de atendimento a vítimas de violência doméstica em seis comarcas

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Seis comarcas vão ter, a partir de abril, gabinetes de atendimento a vítimas de violência doméstica ou de género, ao abrigo de protocolos assinados esta quinta-feira em Lisboa entre Governo, Procuradoria-Geral da República (PGR) e três organizações não-governamentais.

Os gabinetes vão ser criados nos Departamentos de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Braga, Aveiro, Coimbra, Lisboa-Oeste, Lisboa-Norte e Faro e começam a funcionar em abril, de acordo com informação prestada à Lusa pela assessoria de imprensa do Ministério da Justiça.

As seis comarcas correspondem a zonas do país com “maior número” de casos de violência doméstica ou de género, segundo uma nota à comunicação social distribuída aos jornalistas na assinatura dos quatro protocolos que criam os gabinetes de atendimento.

Nestes gabinetes serão atendidas as vítimas de crimes de violência doméstica ou de género “cujos inquéritos sejam tramitados nos respetivos DIAP” e neles trabalhará uma equipa constituída por técnicos e membros de organizações de apoio à vítima e funcionários de justiça. Além do atendimento, os gabinetes farão o “encaminhamento personalizado” das vítimas visando a sua proteção.

No âmbito da cooperação entre Governo, PGR e organizações não-governamentais de apoio à vítima está prevista a formação especializada de magistrados e funcionários dos seis DIAP na “avaliação e gestão do risco e intervenção com vítimas em situação de especial vulnerabilidade”.

Os protocolos foram assinados pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, procuradora-geral da República, Lucília Gago, e por dirigentes da Associação de Mulheres Contra a Violência, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima e da União de Mulheres Alternativa e Resposta.

Costa reconhece falhas em casos de violência doméstica mas diz que vítimas devem confiar no Estado

O primeiro-ministro, António Costa, reconheceu esta quinta-feira a falta de articulação das instituições do Estado na deteção precoce da violência doméstica, mas considerou que as vítimas devem confiar no Estado. António Costa falava em Lisboa, após a assinatura de quatro protocolos que criaram os gabinetes de atendimento a vítimas de violência doméstica em seis comarcas, mencionados acima.

Em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia, o chefe do Governo disse que “nem sempre há a articulação devida” entre as várias instituições, apesar do “muito trabalho” feito. António Costa assinalou, como exemplo, que nem sempre a avaliação de risco feita pelas forças de segurança (PSP e GNR) tem correspondência “noutras fases processuais”. “Temos de conseguir atuar nas primeiras 72 horas após a denúncia para assegurar a proteção e prevenir”, afirmou.

Envergando uma gravata preta, o primeiro-ministro realçou que o dia de luto nacional pelas vítimas de violência doméstica, que esta quinta-feira se assinalou pela primeira vez sob iniciativa do Governo, demonstra que “é tempo de acabar com o silêncio e denunciar” e que as instituições servem para “cumprir o seu dever e agir” em vez de reagir.

“Temos perdido a oportunidade de conseguir a deteção precoce, a sinalização atempada, a devida avaliação de risco, a adoção das medidas de proteção (…). Muitas vezes, já estamos a reagir”, afirmou António Costa durante a sua intervenção, antes de falar aos jornalistas.

Apesar das falhas do Estado, o primeiro-ministro endereçou às vítimas de violência doméstica e de género uma “mensagem de confiança nas instituições”. “Devem confiar nas nossas forças de segurança, magistraturas e sistema judicial, para que as denúncias que façam sejam devidamente tidas em conta, investigadas”, frisou, exortando outras entidades, como escolas e unidades de saúde, e a sociedade a sinalizarem casos.

Atualizado às 23h14 de quinta-feira

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)