Rádio Observador

Chefs

“Tasca”: Já abriu no Dubai o primeiro restaurante de José Avillez no estrangeiro

995

Há muito que o próprio cozinheiro já falava desta que será a sua primeira aventura fora de Portugal. A festa de inauguração já aconteceu e até teve direito a uma atuação de Cuca Roseta.

Retirado do Facebook da Tasca

Depois de já “dominar” Lisboa, o chef José Avillez atira-se agora para além fronteiras com a Tasca, o aguardado restaurante que acaba de inaugurar no Dubai, Emirados Árabes Unidos (EAU). Localizado no luxuoso complexo hoteleiro Mandarin Oriental Jumeirah, que fica “entalado” entra a praia banhada pelo golfo arábico e a fervilhante cidade do Médio Oriente, este novo projeto do chef português não só é um passo importante na sua já consolidada carreira como também funciona como um grande empurrão para a gastronomia portuguesa, que cada vez mais adeptos parece ganhar pelo mundo fora.

A vista da Tasca, o novo restaurante de José Avillez no Dubai.

A festa de inauguração deste novo espaço deu-se esta terça-feira e contou até com uma atuação da fadista Cuca Roseta. Com a baixa do Dubai como pano de fundo, num lado, e com uma zona de esplanada com uma piscina infinita, do outro, esta será com certeza uma das mais faustosas “tascas” do mundo. Se dúvidas houvesse, basta olhar para os menus que estão agora em vigor onde brilham produtos como a carne wagyu ou a lagosta azul, por exemplo, que são sempre preparados de acordo com receitas ou técnicas portuguesas — veja-se o “pica pau” de wagyu salteado (AED 150, cerca de 36 euros) ou a lagosta azul com arroz de camarões com coentros e picante (AED 140, aproximadamente 33 euros). Na ementa não faltam também clássicos portugueses como as amêijoas à Bulhão Pato (AED 80, uns 20€), polvo à lagareiro, bacalhau à Gomes Sá (ambos a AED 100, 24€) ou até o icónico pastel de nata, reinventado e desconstruído pelo cozinheiro português (AED 58, 14€).

As amêijoas à Bulhão Pato que José Avillez está a servir nos Emirados Árabes Unidos

Uma análise mais geral às cartas — sim, existem duas, uma para almoços, mais curta, e outra para jantares, mais completa — mostra que o chef Avillez levou consigo a tradição dos petiscos portugueses bem como a forte ligação ao mar, já que muitos dos pratos são com base de peixe ou marisco. Existem alguns clássicos já consagrados como a sobremesa Avelã ao cubo, ou os cones de tártaro de atum, um dos snacks servidos no Belcanto, por exemplo (com ligeiras diferenças), mas também é notório o cuidado de integrar algumas referências gastronómicas mais imediatas do médio-oriente, com pratos como o cordeiro com menta e pimentos (AED 200, 48€) ou hummus que faz parte do couvert.

Esta Tasca dispõe ainda de um bar de cocktails de assinatura, como se lê na página de Facebook oficial do restaurante, bem como a maior garrafeira de vinhos portugueses nesta cidade dos EAU, onde figuram produtores como a Quinta do Noval e os seus vinhos do Porto ou os vinhos Madeira da Cossart Gordon.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)