Rádio Observador

Estados Unidos da América

Michael Wolff escreveu um novo livro sobre Trump. A sequela do polémico “Fúria e Fogo” será publicada em junho

"Siege: Trump under Fire": eis a sequela do famoso livro que denunciou as polémicas de Trump e da Casa Branca. O novo livro de Michael Wolff promete ser "igualmente explosivo", diz o editor.

Michael Wolff começou a escrever o novo livro assim que terminou "Fúria e Fogo"

Getty Images for New York Magazine

O autor do polémico livro “Fogo e Fúria” sobre a presidência de Donald Trump, Michael Wolff, vai publicar uma sequela da obra a 4 de junho, dia nacional dos EUA. O novo livro chama-se “Siege: Trump under Fire” e o anúncio foi feito esta quarta-feira por Henri Holt, o editor de Wolff.

“Esta sequela será um livro igualmente explosivo sobre uma presidência que está sempre debaixo de fogo”, descreveu Henri Holt. “O livro mostra uma administração que está sempre a ser alvo de investigações e um presidente volátil, errático e exposto”, continuou ainda o editor.

O livro vai focar-se nas investigações do consultor especial Robert Muller sobre o alegado envolvimento da Rússia na campanha presidencial de Trump, avança o The Guardian. “Siege”, explicou na manhã desta quarta-feira Henri Holt, inicia o livro com o fim do segundo ano de presidência de Donald Trump e termina, precisamente, com a entrega do relatório Muller.

A capa do novo livro de Michael Wolff, disponível a partir de 4 de junho

Michael Wolff terá começado a reunir informação para o novo livro assim que acabou de escrever o polémico “Fogo e Fúria”. O livro, lançado em janeiro de 2018 e que vendeu milhões de cópias em todo o mundo, caracterizou Trump como um presidente incapaz, ignorante e líder de uma Casa Branca que não respeita o seu governante.

Para escrever o novo trabalho, Michael Wolff terá falado com 150 fontes, mas o editor não revelou se estas estão ligadas à Casa Branca. No entanto, o Axios avança que Wolff falou com as mesmas pessoas que o ajudaram a escrever o primeiro livro. Em “Fogo e Fúria”, Wolff revelou declarações de membros e ex-membros da administração e conhecidos de Donald Trump, que denunciaram comportamentos impróprios do republicano e descreveram o seu primeiro ano de presidência como “caótico”.

Na altura em que “Fogo e Fúria” foi lançado, Trump ameaçou processar o autor e pôr fim à impressão do livro. Chamou à obra um “livro falso”, uma “desgraça” e apelidou Wolff de “fraude”. Contudo, as declarações do presidente norte-americano apenas fizeram disparar ainda mais as vendas. Para escrever a sequela, Wolff não quis entrevistar Donald Trump, para evitar ações legais que pudessem atrasar a publicação da obra.

Em 2018, Wolff disse que Trump lhe deu acesso à Casa Branca para escrever o livro, mas o presidente viria a negar o convite no Twitter depois de descrever o livro como “lixo de tabloide ficcional” e “cheio de informação falsa e com relatos inconclusivos”.

Michael Wolff respondeu no próprio dia. “Uma coisa é certa: Donald Trump vai atacar. A minha credibilidade está a ser posta em causa por um homem que tem menos credibilidade que, talvez, qualquer pessoa que já alguma vez caminhou na Terra.”

Wolff escolheu o título do primeiro livro depois de uma declaração de Trump sobre o conflito com a Coreia do Norte, onde o presidente falou em “fogo e fúria”. A obra vendeu mais de quatro milhões de cópias em todo o mundo e foi um top seller em 2018. A nova sequela já pode ser pré-encomendada e teve a revisão de John Sterling, que também participou no primeiro livro de Wolff.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)