A Mercedes apresentou um Experimental Sicherheits Fahrzeug (ESF), algo que se pode traduzir como veículo de segurança experimental, mas que é muito mais do que isso. Basicamente, porque o quesito segurança torna-se muito mais complexo quando se prevê um futuro em que, tendencialmente, os carros vão ser cada vez mais autónomos e conectados.

Daí o interesse em olhar para o ESF Concept 2019, não pela base de que parte (o já conhecido GLE), mas por aquilo que lhe acrescenta: nada mais, nada menos que as tecnologias que a marca de Estugarda se prepara para introduzir nos seus modelos de produção em série. A garantia é dada pelo substituto de Dieter Zetsche como CEO da Daimler:

O novo ESF 2019 reflecte a mobilidade do futuro e apresenta uma grande variedade de inovações que estamos actualmente a trabalhar e a desenvolver. E posso desde já adiantar que, algumas delas, estão muito perto de serem produzidas em série”, assegurou Ola Kallenius.

Algumas das soluções apresentadas parecem-nos demasiado futuristas ou de eficácia duvidosa, mas há funções que realmente poderão vir a representar um acréscimo de segurança nas deslocações do amanhã. É o caso, por exemplo, do Pre-Safe Child, sistema que neste concept não só monitoriza a instalação da cadeirinha, como controla os sinais vitais da criança, reforçando a protecção desta por via de um cinto preventivamente tensionado e de elementos laterais que se destinam a minimizar as cargas a que o corpo é sujeito em caso de embate.

12 fotos

Outra das novidades visa especificamente lidar com um futuro em que as mãos não precisam de estar ao volante. Na visão do construtor alemão, quando a função de condução autónoma é activada, a melhor maneira de proteger o “condutor” é fazendo “desaparecer” pedais e volante. Em caso de acidente, o facto de estes elementos estarem recolhidos minimiza a possibilidade de provocarem ferimentos. Contudo, por outro lado, isso obriga a repensar a colocação do cinto de segurança e do airbag do condutor, que no ESF Concept 2019 surgem, respectivamente, integrados no assento e acima do volante (em vez de ao centro).

6 fotos

Este GLE virado para a segurança conta ainda com um robot que, em caso de falha no veículo, retira-se deste pelos seus próprios meios e afasta-se até um máximo de 200 metros. De caminho, prescinde do colete, mas sinaliza o perigo com a abertura automática do triângulo.

Outras funcionalidades assentam sobretudo na comunicação entre veículos, com a projecção de mensagens de alerta ou de imagens recolhidas pela câmara frontal na traseira do protótipo, o que pode ser útil em situações em que há um potencial risco à frente, mas que o condutor que segue atrás não consegue ver, embora tenha de agir em conformidade.